quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

Por que você não foi selecionado para aquela vaga?

 
 
Eu já ouvi esta frase algumas centenas de vezes ao longo da minha vida e com frequência paro para refletir sobre os motivos e, geralmente, o que percebo são possíveis "gargalos" ou consequências de uma série de motivos. A verdade é que escolher alguém para fazer parte de uma equipe não é tarefa fácil. "Ter perfil" para trabalhar em uma empresa vai muito além de um currículo. Ou você realmente acredita que todos nós conseguiríamos trabalhar em empresas como o google, AMBEV e Banco Santander? 


Para o preenchimento de uma vaga há uma série de fatores. O comportamento, as características pessoais, a afinidade com a cultura organizacional, o cenário atual, os interesses políticos e tantos outros aspectos muitas vezes não explícitos, mas relevantes para a tomada de decisão. Já vi pessoas não serem contratadas por N motivos e sempre que tive a oportunidade de compreender as razões, recebi as seguintes justificativas dos gestores responsáveis pela vaga:


"Não tem nada a ver com a nossa empresa"
"Ela está numa fase mais família, quer ter filhos e eu preciso de alguém mais disponível" 
"Senti que ele não aguenta pressão, embora tenha tentado me convencer do contrário"
"Ela não está disponível full time e para a vaga é um pre-requisito" 
"Ela é muito baladeira e eu preciso de alguém mais tranquila"
"Ele é muito dinâmico e tem muita energia… em 3 meses de empresa vai desmotivar, porque aqui as coisas demoram para acontecer."
"Ela é muito prolixa. Enrola demais. Não tenho paciência! Preciso de alguém mais direto". 
"Ele é um "trator", mas eu já tenho um desses aqui. O que preciso para equilibrar a equipe é de alguém mais tranquilo e disposto a fortalecer os relacionamentos". 
"Ela é amiga do fulano e isso pode comprometer o fluxo de algumas informações". 
"Preciso de alguém mais "seco" e sem sorriso no rosto. Não quero uma miss simpatia. A vaga exige alguém mais agressivo. Do contrário, no primeiro grito do cliente ela desmonta"
"muito formal, cheia de cerimônias, não tem nada a ver com a nossa cultura" 
"muito informal, não respeita hierarquia. Aqui somos conservadores e valorizamos uma postura mais séria".
"muito jovem e indecisa sobre a carreira. Preciso e alguém mais resolvido". 
"Fala demais. É muita "dada". Preciso de alguém mais discreto". 
"É muita tímida e vai ter dificuldades de se relacionar com os nossos clientes. Preciso de alguém mais comunicativa". 

Observe que o que para uma vaga é o melhor cenário, para outra é um "tiro no pé". Algumas vezes profissionais com perfil comportamental alto e baixo potencial técnico são mais valorizados e o mesmo vale para o contrário. Seja como for, é preciso estar preparado - tecnicamente, comportamentalmente e emocionalmente para participar de um processo seletivo. Então, aí vão algumas dicas: 


Busque aperfeiçoamento

Faça cursos, MBA, especialização, invista em idiomas, participe de webinários, leia sobre assuntos diversos, enfim, busque aprimorar suas competências a partir de conhecimentos técnicos e teóricos. Não se acomode com apenas uma graduação. Atualmente, este não é mais um diferencial, mas um pré-requisito. Se concluiu o curso superior, já passou da hora de avaliar os próximos passos. Por isso é tão importante ter bem definido um plano de carreira. A partir desse importante passo você poderá conduzir todas as suas ações e investir nas habilidades necessárias. 


Conheça a empresa 
Não basta entrar no site da empresa e conhecer os valores, missão e visão. É preciso investigar e saber como é trabalhar na empresa, avaliando principalmente se o seu perfil se encaixa a ela. É importante que você compreenda o que é ideal para você, do contrário, nenhuma das suas habilidades serão úteis. Já imaginou se você é uma pessoa altamente criativa, inovada e dinâmica e aceita trabalhar em um local cujas funções são completamente operacionais e engessadas? é preciso ter compatibilidade com a empresa e suas expectativas. Do contrário você pode até ser contratado, mas prepare-se para a "síndrome do fantástico". Uma dica para você conhecer a empresa onde pretende trabalhar é acessar o site Love Mondays ou o LinkedIn. Essas duas plataformas trazem referências e comendações valiosas. Tenha cuidado com o que deseja. As vezes você quer tanto uma vaga e não se preocupe com detalhes importantes. O melhor, antes de morrer de remorsos ou tédio, é saber se é isso realmente que você deseja. Muitas pessoas são tendenciosas a avaliar apenas o salário e esquecem-se que satisfação pessoal e profissional estão muito além de cifrões. 


Prepara-se para a entrevista; 
Há pessoas que chegam na entrevista totalmente despreparadas e não sabem se "vender". Um erro, clássico, é quando o recrutador pede que fale um pouco de sua experiência e o indivíduo solta a seguinte pérola: "Faço de tudo um pouco". Oi?! como assim? Ter uma atuação generalista durante toda a carreira não significa que você não tido uma sólida vivência. Seja mais objetivo e pontual. Apresente, nesse momento, exemplos de sua atuação e de como construiu sua carreira. Nesse momento você está vendendo o melhor produto que poderia vender: VOCÊ. Seja seguro, sem ser arrogante e apresente o seu diferencial. Afinal, por que você acha que a vaga tem que ser sua? Porque você é a melhor opção é a pior resposta. Nesse momento é importante ter a capacidade de síntese, percepção, autoanálise, bom vocabulário e noção do que fez e melhor ainda, do que pode fazer. Nessa hora é preciso ter brilho no olho. 


Evite Clichês: 
"Estou em busca e novos desafios"! 
Dá para imaginar quantas vezes por dia um recrutador ouve essa frase? Se este for o único motivo pelo qual você deseja a vaga, saiba que não há diferencial algum entre você e centenas de outras pessoas. Nessa hora é preciso ser pontual e apresentar motivos convincentes. Frases repetitivas não são bem vistas. Por isso, mais uma vez: é preciso ter um plano de carreira e saber o que deseja. 


Não subestime os outros candidatos: 
Cuidado com a prepotência. Não é porque você morou fora e fala dois idiomas que a vaga será sua. Conheço pessoas que o lugar mais longe que já conhecem está a 100 km de distância da sua residência e desbancaram muitos currículos internacionais. É claro que a experiência em outro País, o domínio de outros idiomas e um MBA serão um diferencial, mas lembre-se que nem sempre é isto que a vaga exige. Em muitas situações um profissional que sabe trabalhar em equipe será muito mais valorizado do que o título de Doutor daquele candidato sem qualquer habilidade com pessoas. 


Seja natural 
Tem candidato que puxa o saco até da copeira que serve o café e esquece de ser natural durante a entrevista, esbanjando sorrisos e simpatia. Minha sugestão: Seja você mesmo e evite "forçar" a amizade. A esta altura do campeonato a empresa já investigou o seu perfil nas redes sociais. 


Cuide da sua imagem: 
Não adianta vender sorrisos e simpatia na entrevista e nas redes sociais mostrar o contrário. Atualmente é impossível não vincularmos nossa imagem às redes sociais. Tenha cuidado com suas postagens, fotos, comentários, vídeos e toda e qualquer tipo de exposição. Uma dica é revisar, com certa frequência, suas redes sociais e avaliar se realmente suas postagens contribuem para uma imagem positiva. Costumo fazer o seguinte exercício a partir de uma lista de pessoas que admiro e sigo: Antes de postar uma foto me pergunto: Fulana postaria essa foto? De vez em quando isso não funciona e cometo algumas gafes. (risos)




Por que devemos contrata-lo? 
Adoro essa pergunta! 
Saiba que esta resposta deve estar na ponta da sua língua. Dá para imaginar os motivos que levariam um gestor a contratar uma pessoa que não sabe o que está fazendo ali? Como um gestor poderá contar, a curto, médio e longo prazo com alguém que não sabe o que quer e por que deve estar na empresa? Nesse momento seja seguro, fale de sua experiência e como pode contribuir para a empresa. Fale de suas características pessoais, suas aspirações e seus pontos fortes. Se for uma vaga para estágio e você não tenha muita experiência, foque na sua capacidade de inovar e contribuir com a empresa. Seja entusiasta e demonstre seu interesse em aprender coisas novas, adquirir conhecimento e contribuir para os resultados da empresa. 

Não desanime 

Se apesar de ter feito "todo o dever de casa" e possuir todas as habilidades necessárias você não tenha sido selecionado, não desanime. É muito provável que apesar do seu potencial não seja essa a necessidade da vaga. As vezes, a vaga é para carimbar papel e você por ser muito dinâmico morreria de tédio ou a vaga é para trabalhar com um gestor que inspirou a atriz Meryl Streep no filme do O Diabo veste Prada e você não tem o "sangue de barata" desejável para ocupar o cargo. Avaliando friamente a situação, aquilo que parece falta de sorte ou preparo num primeiro momento, pode ser na verdade um livramento.

Uma coisa é certa, se você se capacitou, e tem plena consciência do seu potencial, mais dia menos dia a sua hora chegará. 


Um abraço, 


Simara Rodrigues


6 comentários: