sábado, 30 de janeiro de 2016

Dicas de como elaborar um bom currículo




Se é verdade que a primeira impressão é a que fica a regra não pode ser diferente para o envio do seu currículo. Embora pareça tarefa fácil, a elaboração de um currículo exige atenção e sobretudo conhecimento. 

Se considerarmos que para cada vaga aberta dezenas e até mesmo centenas de pessoas se candidatam, o primeiro desafio é passar pelo filtro de seleção dos melhores currículos. Observe que neste momento não há uma avaliação pessoal mas a avaliação das informações constantes em  um breve relato. São os seus "30 segundos de fama". 

Portanto, fazer com o que o seu currículo seja escolhido, requer algumas regras básicas e o Blog Secretariar é uma arte compartilha algumas dicas:  


Objetividade - Por mais que pareça óbvio nem todo mundo consegue ser objetivo. Portanto, nada de "mi mi mi" no seu objetivo. "Atuar com excelência para o bom desenvolvimento das atividades, primando pela ética, transparência, trabalho em equipe e com responsabilidade. Isso não é objetivo, mas obrigação. A pergunta é simples: O que você quer?


E-mail Profissional - Evite usar um endereço de e-mail no diminutivo, com apelidos ou "meigo" em seu currículo. Isso não traz a seriedade e postura que espera-se de um profissional, principalmente se for atuar na área de  Secretariado. 

Por isso, nada de simarinha@gmail.com, sisi@gmail.com, sisigatinha@hotmail.com, sifofinha@yahoo.com.br.   Lembre-se, são detalhes como este que podem falar muito sobre você. 

Descreva suas atribuições - Ao especificar o local de trabalho e o cargo ocupado, descreva de forma objetiva e resumida suas atribuições. Não há nada mais incomodo para um recrutador do que ficar com a interrogação quanto às atribuições de um candidato. Coloque-se no lugar dele: Se você tivesse 100 currículos para avaliar, você escolheria aquele com informações claras ou que exige um contato para obter mais informações? 


Formação acadêmica - Para o recrutador é muito mais importante saber o que você estuda atualmente do que o local em que cursou o ensino fundamental e médio. Portanto, siga uma ordem lógica de tempo e informe sua última formação ou atual. A mesma regra vale para as suas experiências profissionais.  


Não minta - Se você não fala outro idioma, não informe em seu currículo que seu conhecimento é intermediário ou avançado. Pior do que não saber é mentir sobre uma determinada habilidade. Se você estiver estudando algum idioma não deixe de informar em seu currículo, ressaltando o nível de conhecimento.  

Foto - Se a sua pretensão é uma vaga para a área de Secretariado Executivo descarte a foto 3x4 no cabeçalho do seu currículo. Esse critério é, geralmente, considerado para vagas destinadas a vendedores de shopping e promotores de eventos. 

Revise seu currículo - Cuidado com os erros de português. Uma dica é mostrar para um colega ou familiar antes de enviar o currículo, evitando dessa forma, qualquer deslize. 

E é claro, não deixe de cadastrar seu currículo em plataformas como linkedin, vagas.com e empresas de recrutamento e seleção.


Um abraço, 

Simara Rodrigues




Livros relacionados à área de Secretariado

Pessoal, 


Tenho recebido alguns e-mails solicitando dicas de livros relacionados à área de Secretariado. 

Nesse sentido, compartilho o link do SINSESP para aquisição de alguns exemplares disponíveis. 


O SINSESP, em parceria com os autores, divulga e oferece os exemplares. Bastar entrar em contato pelo telefone 11) 3662-0241 ou e-mail sinsesp@sinsesp.com.br para obter as informações de envio e pagamento.


O difícil será escolher apenas um livro. 



Competências Especiais para o Desenvolvimento Contínuo do Profissional de Secretariado Executivo – Ana Paula Marinho – R$ 15,00

Equipe de Alto Desempenho – Márcia Rizzi e Maurício Sita - R$ 35,00

Estágio Supervisionado – Teoria e Prática – Keyla Portela e Alexandre Schumacher - R$ 30,00

Excelência no Atendimento – Márcia Rizzi e Maurício Sita - R$ 35,00

Excelência no Secretariado - Bete D´Elia e Magali Amorim - R$ 45,00

Ferramenta do Secretariado - Keyla Portela e Alexandre Schumacher - R$ 55,00

Gestão do Tempo - Márcia Rizzi e Maurício Sita - R$ 35,00

Modelos de Gestão no Contexto do Profissional de Secretariado – Cibele Barsalini Martins e Bete D’Elia - R$ 38,00

Olhe mais uma vez! Em cada situação novas oportunidades – Moacir Rauber – 25,00

Os Segredos para o Sucesso pessoal e profissional – O Marketing aplicado aos relacionamentos – Douglas de Matteu & Mauricio Sita (Simara Rodrigues - coautora) - R$ 25,00

Perguntar não ofende. Uma abordagem de Coaching para o profissional de Secretariado - Moacir Rauber e Andreia Rauber - R$ 35,00

Pesquisa em Secretariado – Daniela Giareta Durante – R$ 30,00

Profissional de Secretariado na Coordenação de Eventos – Solange Giorni – R$ 35,00

Secretariado Executivo e relações públicas – Adriane Wener e Vanderléia Stece de Oliveira - R$ 45,00

Secretariado Intercultural – Marcela Brito - R$ 35,00

Secretariado Executivo para Concursos – Fernanda Fonseca Machado – 44,90

Ser + em Comunicação - Christiane Pelajo e Mauricio Sita - R$ 35,00

Universo Secretariado – Dicas & Dogmas Reavaliados – Boas vindas à nova geração – Vânia Figueiredo – R$ 30,00

sexta-feira, 29 de janeiro de 2016

Sobre o assédio moral

Há um tema que sempre foi velado por mim. Em parte, porque deixou cicatrizes e não remetem boas lembranças. Hoje, mais madura, reconheço as lições deixadas por essa fase e minha resiliência diante de momentos difíceis. 

É lamentável que, embora o assunto seja do conhecimento de todos, muitos gestores continuem a violar as normas de convivência no ambiente de trabalho, o que em última análise significa dizer que além dos danos causados aos trabalhadores, o gestores podem, ainda, provocar prejuízos financeiros e institucionais às empresas que em muitas situações são coniventes com esta prática. 

O assédio moral ocorre tanto na iniciativa privada quanto nas instituições públicas. A prática desse crime efetivamente fortalece a discriminação no trabalho, a manutenção da degradação das relações de trabalho e a exclusão social.


O assédio moral no trabalho caracteriza-se pela exposição dos trabalhadores a situações humilhantes e constrangedoras, repetitivas e prolongadas durante a jornada de trabalho e relativas ao exercício de suas funções.

Tais práticas evidenciam-se em relações hierárquicas autoritárias, em que predominam condutas negativas, relações desumanas e antiéticas de longa duração, de um ou mais chefes, dirigidas a um ou mais subordinados, entre colegas e, excepcionalmente, na modalidade ascendente (subordinado x chefe), desestabilizando a relação da vítima.

É o que chamamos de violência moral. Esses atos visam humilhar, desqualificar e desestabilizar emocionalmente a relação da vítima com a organização e o ambiente de trabalho, o que põe em risco a saúde, a própria vida da vítima e seu emprego. A violência moral ocasiona desordens emocionais, atinge a dignidade e identidade da pessoa humana, altera valores, causa danos psíquicos (mentais), interfere negativamente na saúde, na qualidade de vida e pode até levar à morte.

O medo do desemprego, e a vergonha de virem a ser humilhados, associados ao estímulo constante da concorrência profissional, os tornam coniventes com a conduta do assediador.


Objetivo do (a) agressor(a)

• Desestabilizar emocional e profissionalmente

• Livrar-se da vítima: forçá-lo(a) a pedir demissão ou demiti-lo(a), em geral, por insubordinação 


Estratégia do(a) agressor(a)

• Escolher a vítima e o(a) isolar do grupo

• Impedir que a vítima se expresse e não explicar o porquê

• Fragilizar, ridicularizar, inferiorizar, menosprezar em seu local de trabalho

• Culpar/responsabilizar publicamente, levando os comentários sobre a incapacidade da vítima, muitas vezes, até o espaço familiar

• Destruir emocionalmente a vítima por meio da vigilância acentuada e constante. Ele(a) se isola da família e dos amigos, passa a usar drogas, principalmente o álcool, com frequência, desencadeando ou agravando doenças preexistentes

• Impor à equipe sua autoridade para aumentar a produtividade


Confira alguns exemplos: 

• Ameaçar constantemente, amedrontando quanto à perda do emprego

• Subir na mesa e chamar a todos de incompetentes

• Repetir a mesma ordem para realizar tarefas simples, centenas de vezes, até desestabilizar emocionalmente o(a) subordinado(a)

• Sobrecarregar de tarefas ou impedir a continuidade do trabalho, negando informações

• Desmoralizar publicamente

• Rir, a distância e em pequeno grupo, direcionando os risos ao trabalhador

• Querer saber o que se está conversando

• Ignorar a presença do(a) trabalhador(a)

• Desviar da função ou retirar material necessário à execução da tarefa, impedindo sua execução

• Troca de turno de trabalho sem prévio aviso

• Mandar executar tarefas acima ou abaixo do conhecimento do trabalhador

• Dispensar o trabalhador por telefone, telegrama ou correio eletrônico, estando ele em gozo de férias

• Espalhar entre os(as) colegas que o(a) trabalhador(a) está com problemas nervosos

• Sugerir que o trabalhador peça demissão devido a problemas de saúde

• Divulgar boatos sobre a moral do trabalhador

Como a vítima reage

Mulheres:

• São humilhadas e expressam sua indignação com choro, tristeza, ressentimentos e mágoas. Sentimento de inutilidade, fracasso e baixa autoestima, tremores e palpitações. Insônia, depressão e diminuição da libido são manifestações características desse trauma.

Homens:

• Sentem-se revoltados, indignados, desonrados, com raiva, traídos e têm vontade de vingar-se. Ideias de suicídio e tendências ao alcoolismo. Sentem-se envergonhados diante da mulher e dos filhos, sobressaindo o sentimento de inutilidade, fracasso e baixa autoestima.

Após a confirmação de que está sendo vítima de assédio moral, não se intimide, nem seja cúmplice.

Denuncie!

O que a vítima deve fazer

• Resistir. Anotar, com detalhes, todas as humilhações sofridas: dia, mês, ano, hora, local ou setor, nome do(a) agressor(a), colegas que testemunharam os fatos, conteúdo da conversa e o que mais achar necessário.

• Dar visibilidade, procurando a ajuda dos colegas, principalmente daqueles que testemunharam o fato ou que sofrem humilhações do(a) agressor(a)

• Evitar conversa, sem testemunhas, com o(a) agressor(a).

• Procurar seu sindicato e relatar o acontecido.

• Buscar apoio junto a familiares, amigos e colegas.


Conheça a cartilha completa elaborada pelo Ministério do Trabalho e Emprego - MTE 






Manual de Boas Práticas – Passageiro de Avião




Caros leitores, 

Particularmente acredito que a boa convivência deve ser uma regra em qualquer situação, o que inclui em viagens de negócios ou turismo. Outro dia, em uma viagem para São Paulo uma passageira resolveu tirar o esmalte da unha em pleno voo - leia-se em um ambiente fechado e com ar condicionado. 

Imediatamente ao ver a cena o comissário de bordo solicitou que mocinha guardasse o material, o que foi em vão, pois logo após ser chamada a atenção continuou tirando seu esmalte. Resultado, uma outra passageira começou a passar mal com o forte cheiro. E foi então que de repente outro passageiro levantou-se e começou a gritar com a causadora de todo o desconforto. E foi em pleno voo - CGH/BSB que começou uma baixaria e troca de desaforos entre pessoas adultas e nada civilizadas. Definitivamente bom sendo cabe em qualquer lugar. 

Essa e outras situações podem ser evitadas seguindo as dicas compartilhadas pelo site voando e avaliando. 


Considerando que já voei milhares de vezes (literalmente), tendo passado por muitas situações inusitadas e observado algumas atitudes desnecessárias e algumas crises entre passageiros, acho que já estou em condições de formular um Manual de Boas Práticas do Passageiro de Avião.

Acho que é importante dividir este Manual em 03 grandes partes:

1) Boas práticas no processo de compra da passagem:

temos no Brasil uma intensa competição no setor aéreo, portanto, as grandes companhias sempre fazem promoções, com preços muito atrativos, entretanto, estes preços baixos estão associados a tipos de tarifas com uma série de condições e restrições, em especial, altas taxas de remarcação e cancelamento; podemos discordar do patamar destas taxas, mas elas estão associadas diretamente ao preço promocional que atrai nossa atenção; se você se beneficia com o preço baixo e compra a passagem, está aceitando todas as condições (as boas e as ruins); esta é uma prática do mercado mundial, em especial, na Europa e todos os alertas sobre estas regras são feitos pelas companhias no processo de venda da passagem (repare que estou falando de compras feitas diretamente com as empresas, sem nenhum tipo de intermediário ou compra coletiva); portanto, leia atentamente as condições das tarifas promocionais, pois alegar desconhecimento ou prática abusiva da empresa não é medida justa

2) Boas práticas no procedimento de embarque:

vá ao banheiro antes de embarcar, só há vantagens nisso: o banheiro do saguão do aeroporto é muito mais espaçoso e confortável, além disso você não precisa incomodar ninguém (na ida e na volta ao banheiro) caso esteja sentado na janela

na hora do embarque, respeite a ordem definida pela companhia aérea; no Brasil, geralmente as empresas dividem os passageiros em 03 grupos: prioridades (por lei e passageiros frequentes com algum status no programa de fidelização), assentos da parte de trás do avião e, finalmente, assentos da parte frente; isto tem uma lógica por trás: como cada pessoa geralmente fica parada no corredor do avião para colocar sua mala no bagageiro, o fluxo de entrada fica otimizado quando entram primeiro os passageiros que estão no fundo; portanto, respeitar estes grupos é bom para todos, pois proporciona um embarque mais ágil e aumentam as chances do voo sair no horário previsto

se o embarque for remoto, não fique na porta do ônibus que te levará até o avião que está estacionado em posição remota; quando isso acontece, geralmente, o meio do ônibus fica vazio e menos passageiros são transportados em cada trajeto; lembre-se que mochila nas costas ocupa um espaço desnecessário, coloque-a entre as pernas; se forem necessários 03 ônibus (vazios) para levar todos os passageiros, o processo de embarque vai demorar mais do que se apenas 02 (cheios) forem utilizados

3) Boas práticas dentro do Avião:

siga as regras definidas pela companhia aérea escolhida com relação à bagagem de mão; mais uma vez, existe uma lógica por trás: garantir que todo e qualquer passageiro possa carregar sua bagagem para dentro do avião, ou seja, é uma questão de isonomia e respeito ao próximo; quando os bagageiros estão lotados e não há espaço para a mochila do passageiro que entrou por último, o voo sempre atrasa, pois é preciso despachá-la para o porão (sem contar a hipótese do passageiro se recusar, reivindicar o direito de ter sua bagagem de mão no compartimento dentro do avião e arrumar confusão)

respeite os assentos atribuídos no procedimento de check-in; podemos discordar da política da companhia de cobrar um adicional por um assento mais confortável, mas a partir do momento em que a passagem foi comprada, as regras precisam ser respeitadas; além disso, em voos de baixa ocupação, a distribuição dos assentos pode ser feita para um melhor balanceamento da aeronave, se você mudar de lugar pode comprometer a performance do voo

obedeça as regras sobre o uso do aparelho celular e outros equipamentos eletrônicos: evite que o “Engenheiro Aeronáutico” que existe dentro de você conclua que não tem problema nenhum usar o celular mesmo depois que a tripulação orientou a desligá-lo; atualmente, TAM e GOL já permitem o uso em “modo avião” em todas as fases do voo; a regra é clara: com segurança de voo não se brinca, se respeita

tenha consciência: não fique batendo com o joelho ou dando pancadas na poltrona do passageiro à sua frente; não há nada mais incômodo do que absorver com as costas estes trancos

se você encontrar uma amiga que não vê há anos e ela sentar perto de você (mas não ao seu lado), tente segurar a ansiedade de botar o papo em dia durante o voo (conversem no aeroporto de destino), e evite ficar gritando e conversando, os outros passageiros não precisam compartilhar deste momento de alegria e ouvir todas as novidades da sua vida

na “Guerra dos Cotovelos” para ocupar o “território inimigo” do braço da poltrona, dê preferência sempre ao passageiro que está sentado na fileira do meio; quem está na janela, tem a seu favor o espaço entre o braço e a parede do avião, da mesma forma, há espaço a mais para quem está no corredor; quem está no meio não tem nenhuma vantagem, portanto, deve ter preferência para apoiar os braços; obviamente, a “negociação” tem que ser feita de forma civilizada, sem empurrões

não existe lei que obrigue todos os passageiros a levantar assim que o avião é estacionado, portanto, mantenha a calma e aguarde, pelo menos, que a porta da aeronave seja aberta
no processo de desembarque, aceite que as pessoas que estão mais a sua frente no avião sairão primeiro; é muito comum as pessoas acharem que, por estarem no corredor, podem sair primeiro e que as pessoas que estão na janela da fileira à frente devem ficar esperando; é uma questão de organização e cortesia: quem está mais a frente, sairá primeiro, estando na janela, meio ou corredor; já tive que me jogar na frente de muitas pessoas e adoro debater com os apressadinhos sobre isto; em resumo: se você está na fileira 4, não saia na frente dos passageiros da fileira 3

Como pode ser visto, todos nós somos responsáveis por vários aspectos durante um voo: pontualidade, segurança e bem-estar geral. Portanto, façamos a nossa parte para garantir que a experiência de andar de avião seja sempre a melhor possível para cada um de nós.

Fonte: 


terça-feira, 26 de janeiro de 2016

Sobre a calça Legging

(foto retirada na internet)



Outro dia deixei algumas dicas sobre a calça branca. Hoje, falaremos sobre a perigosa e temida calça legging. 



A peça, que virou febre a partir dos anos 80, inicialmente como roupa de ginástica, foi ocupando espaço também na moda de rua, até que, drasticamente, chegou aos escritórios. 



Drasticamente porque algumas pessoas, confundindo conforto e praticidade, adotaram a peça como “coringa” na escolha do guarda-roupa corporativo. 

Mas os especialistas são categóricos com relação a legging e afirmam que usa-la no trabalho está fora de cogitação, ainda que na sexta-feira. Por diversos motivos, mas principalmente porque: 

Pode transmitir uma impressão de desleixo;

Pode sensualizar e esta não deve ser jamais a intenção;

Trata-se de um look informal, que facilmente pode destoar do ambiente corporativo;

Não estando em boa forma é visivelmente feio;

Estando em boa forma é visivelmente provocativo e vulgar;

Dependendo da lingerie ficará estranho. 

Um teste para saber se a peça é realmente bem-vinda no mundo corporativo é fazer a seguinte reflexão: Você já viu alguma executiva de primeiro escalão usando calça legging no trabalho? 

Portanto, se você não trabalha em uma loja de esportes ou academia, sugiro que reveja seu guarda-roupa.

Atualmente há vários sites especializados em Dress Code, livros sobre o assunto e até mesmo personal stylist que podem ajuda-la na criação de um guarda-roupa apropriado. E ao contrário do que algumas pessoas pensam, não é preciso um alto investimento para estar bem vestida mas é preciso, sobretudo, bom senso e bom gosto. 

Um abraço e uma ótima semana, 

Simara Rodrigues



segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

Devagarinho...



Calma Simara, é devagarinho que as coisas acontecem”. Sempre dizia meu chefe a cada gesto tempestivo meu. Houve um tempo, influenciada pela geração Y e pela urgência que nos devora a cada dia, em que desejava que tudo acontecesse da noite para o dia. Era ansiosa, falava mais do que ouvia - aliás, eu não ouvia - era impaciente e sofria com a “demora em chegar lá”. 

Muitas foram as frustrações por não conseguir aquela vaga de emprego tão sonhada ou mesmo por não ter o reconhecimento que esperava dos meus gestores. Certa vez, perguntei a um gestor da empresa se poderia participar de um processo seletivo interno para uma vaga que tomara conhecimento. Ele prontamente disse que eu não estava preparada para assumir aquela vaga e não era possuidora de todas as habilidades necessárias. Em um primeiro momento, aquilo foi como um balde de água fria e a desmotivação tomou conta de mim por um tempo. As primeiras reações foram de indignação e sentimento de injustiça. Aos poucos, fui avaliando o feedback e parti em busca de novas habilidades. Segui o conselho de uma grande amiga e fiz uma limonada do meu limão. O resultado desse e de outros feedbacks é que nunca parei de me capacitar. 

Sim, é devagarinho que as coisas acontecem. Mas acreditar nessa máxima não significa sentar e esperar ou mesmo ser favorável com a lentidão que assola alguns indivíduos.

Devagarinho quer dizer que devemos andar com paciência, resiliência e sobretudo construindo – novos saberes, rede de relacionamento e perspectivas. Significa que se desejamos realmente algo é preciso acreditar, arregaçar as mangas, tirar do papel e fazer acontecer - exatamente nessa ordem. É preciso plantar para colher e isso leva um tempo. 

E a medida que amadurecemos vamos percebendo que tudo aquilo que depositamos tempo e persistência uma hora encontra o seu apogeu.   

Um abraço uma ótima semana, 

Simara Rodrigues

Vagas para estágio

SECRETARIADO EXECUTIVO

Empresa: privada –80073/Sem.: 4º ao 8º/ Vaga: 1/ Guará / Bolsa: R$ 900 +AT/ Conhec. Exigidos: Curricular. / Enviar currículos para: curriculos.iel@sistemafibra.org.br e no assunto coloque: 80073.

Empresa: privada –73188/Sem.: 2º ao 7º/ Vaga: 1/ Águas Claras/ Bolsa: R$ 800 +AT/ Período: A definir / Conhec. Exigidos: Curricular. / Enviar currículos para: curriculos.iel@sistemafibra.org.br e no assunto coloque: 73188.

Empresa: privada –84592/Sem.: 2º ao 7º/ Vagas: 2/ Núcleo Bandeirante/ Bolsa: R$ 750 +AT/ Período: 9h às 15h/ Conhec. Exigidos: Pacote Office. / Enviar currículos para: curriculos.iel@sistemafibra.org.br e no assunto coloque: 84592.

Empresa: privada –83798/Sem.: 4º ao 9º/ Vaga: 1/ Asa Norte/ Bolsa: R$ 900 +AT/ Período: A Definir/ Conhec. Exigidos: Curricular. / Enviar currículos para: curriculos.iel@sistemafibra.org.br e no assunto coloque: 83798.

Empresa: privada –88467/Sem.: 2º ao 6º/ Vaga: 1/ Park Way/ Bolsa: R$ 700 +AT/ Período: 13h às 19h/ Conhec. Exigidos: Pacote Office. / Enviar currículos para: curriculos.iel@sistemafibra.org.br e no assunto coloque: 88467.

Fonte:
http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/eu-estudante/tf_estagio/2016/01/24/tf_estagio_interna,514934/iel.shtml

domingo, 24 de janeiro de 2016

A importância do estágio



Quando ingressei no mercado de trabalho não sabia absolutamente nada sobre o mundo corporativo. Eu era telefonista em uma indústria de aço e inox em Brasília e minha função era atender as chamadas, o mais rápido possível, e transferi-las à área de vendas. Meu trabalho era medido pela velocidade de chamadas que eu conseguia transferir ao longo das 6 horas diárias de trabalho. Acho que me saí bem nesse 1.º desafio. 



Logo que iniciei o 1.º semestre do curso de Secretariado Executivo, em 1999, uma amiga me indicou para um processo seletivo no Banco Central. Por algum motivo fui aprovada. É sempre engraçado lembrar essa época, pois meu 1.º desafio foi aprender como ligar o computador. 

Tive muita sorte em trabalhar com pessoas altamente capacitadas, o que me inspirou e motivou. Hoje, percebo como temos um papel importante na vida do outro e como somos, de alguma forma, formadores de opinião. 

No gabinete havia quatro secretárias, cada uma com a sua habilidade. Simpatia, educação, bom humor, paciência, discrição e competência são as palavras que definem esse “time”. E foi nessa época, que descobri minha vocação. “Quando crescer quero ser assim” – sempre dizia em tom de brincadeira, mas eu já sabia o que queria.  E durante os dois anos que convivi com aquelas pessoas eu procurei observar e aprender tudo que estivesse ao meu alcance.

Hoje percebo que trago comigo um pouco de cada uma dessas pessoas e é sempre bom lembrar, com muita gratidão, de todos os momentos.

Então, minha dica é: Aproveite o estágio para observar, ouvir e aprender. Sem pressa e sem imediatismo. 

E tudo foram flores? É claro que não. Mas isso é assunto para outro post!!!


Foto: Eu e Dr. Armínio Fraga - Então Presidente do Banco Central. (1999)  

sábado, 23 de janeiro de 2016

Exposição imperdível no CCBB -

Finalmente chegou à Brasília a exposição COMCIÊNCIA da artista Patrícia Piccinini. 

A exposição, que esteve recentemente em São Paulo, traz obras que se destacam pelas esculturas surrealistas de criaturas em situações nada convencionais. 

Aqueles que visitam a exposição costumam afirmar que as criaturas, apesar de estranhas, não são assustadoras. Muito pelo contrário, transmitem um olhar de ternura e vulnerabilidade. 

A exposição da Australiana, que na verdade é um convite para quebrarmos nossos padrões sobre o que é belo e feio, assim como nossos pre-conceitos, acontece no CCBB de 21/01 a 04/04 das 09:00 às 21:00 e é gratuita. 

Eu não perco essa exposição por nada! 

Saiba mais em: 



Sobre o CCBB:

Centro Cultural Banco do Brasil BrasíliaSCES, Trecho 02, lote 22
CEP: 70200-002 | Brasília (DF)(61) 3108-7600
ccbbdf@bb.com.br
Funcionamento: de quarta a segunda, das 9h às 21h.










quinta-feira, 21 de janeiro de 2016

Conheça o site do Comitê de Secretariado Executivo do DF



No início de 2015 um grupo de profissionais, todos da área de Secretariado Executivo, decidiu criar o Comitê de Secretariado Executivo do DF cujo objetivo é Promover reflexões, discussões e debates sobre o posicionamento e atuação do profissional de Secretariado no mercado de trabalho, além de propor iniciativas de apresentação do novo perfil deste profissional a instituições, empresas e empresários.

Ontem, dia 20/01, nos reunimos para iniciar o planejamento de 2016, traçando metas e objetivos. Na oportunidade, compartilhamos nossas expectativas e anseios e como sempre, a noite de nossos encontros que são bimestrais, foi muito agradável. 

A boa notícia, é que a partir de agora todas as informações sobre o Comitê - calendário, objetivo, membros, artigos e propostas - podem ser consultadas diretamente no site.

Saiba mais clicando em: http://comitesecdf.wix.com/comitesecdf




quarta-feira, 20 de janeiro de 2016

Reajuste salarial dos Secretários de empresas terceirizadas




Pessoal, 

Compartilho informativo do SISDF acerca do reajuste salarial dos Secretários de empresas terceirizadas


INFORME SISDF

O Sindicato das Secretárias e dos Secretários informa que negociou com o SEAC/DF (TERCEIRIZAÇÃO) os seguintes valores:

REAJUSTE GERAL: 10,5%

Vale Alimentação: R$ 27,50
Plano de Saúde: R$ 160,00

PISOS SALARIAIS:
- Secretário Técnico: R$ 1.850,00

- Secretário Executivo: R$ 3.800,00

- Secret. Ex. Bilíngue: R$ 4.300,00

OBSERVAÇÕES:

1. Devido o percentual de reajuste está dentro do limite autorizado na AGE, de 03/10/2015, não será necessário realizar Assembleia para discussão de valores. Conforme aprovado, isso só seria preciso se a proposta fosse inferior a 10%;

2. A CCT não está totalmente negociada, faltando ainda algumas cláusulas sociais e logo que isso ocorrer, e for homologada pelo MTE, será colocada na página www.sisdf.com.br em Convenções Coletivas / Atuais / Seac - Terceirizadas;

3. Ressaltamos que existe um programa, o PPE – Programa de Proteção ao Emprego, e que uma grande maioria de trabalhadores estão fazendo negociações somente pela manutenção do emprego;

4. É necessário que haja uma conscientização de que o SISDF é mantido pela categoria e, para uma melhor prestação de serviços, precisa-se que haja uma maior contribuição e filiação. Somente com a contribuição sindical, fica inviável a manutenção da entidade.

Mais informações acesse: http://www.sisdf.com.br/site/



sexta-feira, 15 de janeiro de 2016

Pesquisa TCC

Pessoal,

Compartilho link encaminhado pela aluna Denise Celestino cujo objetivo é contribuir para o seu TCC que aborda "O papel do secretário na inserção do expatriado na cultura organizacional e brasileira"

Que tal contribuirmos com este trabalho que certamente será fonte de futuras pesquisas. 

https://goo.gl/7paH8h

quarta-feira, 13 de janeiro de 2016

Só a mudança é permanente







Minha primeira experiência profissional na área de Secretariado aconteceu em 1999, tão logo ingressei na faculdade. Foi uma oportunidade incrível e que me rendeu muitos frutos e contribuiu de forma relevante para a minha carreira, ainda que naquela época fosse apenas um estágio.


Hoje quero compartilhar, em especial, uma situação que na época era comum e fazia parte do dia a dia dos funcionários  - termo utilizado à época para referir-se aos colaboradores, que atualmente são considerados o maior ativo das empresas. Fumar na estação de trabalho não só era comum como fazia parte da rotina dos colaboradores o que incluía a Secretária do Gabinete em que eu trabalhava.  

Lembro-me perfeitamente dela: Discreta, sisuda e respeitada por todos. Ela tinha um empoderamento admirável, certamente por trabalhar com uma das autoridades máximas do Órgão e por ser impecável em seu trabalho. Eu Morria de medo dela, ao mesmo tempo que desejava possuir suas habilidades.

Eram 2 secretárias e duas estagiárias para auxiliar apenas um Executivo e ela era a “Secretária Chefe”. Termo muito comum à época para definir quem era Sênior e tomava as decisões. 

Em sua mesa havia um cinzeiro de cristal enorme. Ela fumava praticamente uma carteira de cigarro por dia. Muitas vezes o cigarro ficava apenas acesso, funcionando como uma espécie de incenso e todos que ali estavam compartilhavam. Éramos fumantes passivos. Presenciei em muitas situações ela despachar com o Executivo, ambos fumando. Tudo dentro da normalidade da época.

Em 2001, com a chegada de novas tendências e conceitos corporativos o Órgão adotou algumas políticas e implantou regras em busca da qualidade de vida. Foi então criado o “fumódromo”  - um andar inteiro para receber os funcionários que fumavam. Na época, essas mudanças criaram alvoroço. Um absurdo não poder fumar na mesa, esbravejavam os “prejudicados”.

Dá para imaginar uma rotina dessas hoje? Um colaborador fumando em sua estação de trabalho? quatros Profissionais de Secretariado para auxiliar um único executivo? Secretária chefe? 

Fazendo uma retrospectiva dessa experiência, que não faz tanto tempo assim, é no mínimo curioso analisar situações que julgaria inacreditável acontecendo atualmente. Percebo como os conceitos são efêmeros e como somos resistentes às mudanças. Por outro lado, e talvez na mesma proporção, percebo como somos adaptáveis e sobretudo como a mudança é positiva, possível e necessária.   

Parafraseando Érico Veríssimo “Quando os ventos de mudanças sopram algumas pessoas levantam barreiras, outras constroem moinhos de ventos”. Resta descobrir a que time escolhemos fazer parte.

Um abraço,


Simara Rodrigues  

Vaga para a área de Secretariado Executivo

Infelizmente com algumas falhas na publicação da vaga como o termo no feminino e a falta de exigência do registro, pode ser uma  boa oportunidade. 

Empresa com sede em Brasília contrata

Secretária Executiva Bilíngue (v1291471)

Código da vaga:v1291471
Nível hierárquico:Pleno
Local:Brasília / DF / BR
Quantidade de vagas:1
Data de expiração:15 de Janeiro de 2016
Este profissional será responsável por dar o suporte de secretariado à alta gestão da empresa, realizará rotinas administrativas, controle de agenda, viagens, reuniões, correspondências, arquivamento de documentos, etc.

Requisitos:

Ensino Superior completo
Aplicações de Escritório: Microsoft Excel, Microsoft Outlook, Microsoft PowerPoint, Microsoft Word.
Inglês avançado ou fluente (requerido)

Salário CLT: a combinar
Beneficios:
Assistência médica, Assistência odontológica, Seguro de Vida, Vale Alimentação/ Refeição, Vale-transporte.

Fonte:
https://www.vagas.com.br/vagas/v1291471/secretaria-executiva-bilingue

segunda-feira, 11 de janeiro de 2016

O uso excessivo do celular e seus prejuízos





Não é novidade que a tecnologia está presente no cotidiano de todos nós. A qualquer necessidade lá estamos conectados e com informações em tempo real. Mas assusta-me a forma que muitos têm conduzido o uso desse recurso. Basta observar como as pessoas saem dos elevadores, caminham pelas ruas e shopping e fazem suas refeições. E se estão em grupo, a qualquer desinteresse começa a "teclar" em seu mundinho.  

Outro dia, enquanto aguardava minha comida na praça de alimentação de um shopping, fiquei observando as pessoas que por ali passavam. Foi então que um rapaz, de aproximadamente 25 anos, totalmente conectado com o seu celular esbarrou e bateu com o rosto em uma das pilastras. Totalmente alienado. Os especialistas já chamam esse vício de Nomofobia, que significa o uso excessivo de celular. 

Aquilo que era para libertar vem escravizando cada dia mais as pessoas. A verdade é que estamos viciados. Dormimos ao lado do telefone e antes mesmo de abrirmos os dois olhos já estamos atualizando nossa “time line”. Almoçamos, jantamos e lanchamos com ele. O pai de todos os vícios é o facebook. Onde publicamos cada passo – #partiu academia, #festa comazamiga, #férias, #se sentindo – um grande jornal coletivo. E a mãe de todos os vícios e quebra de protocolos o Whatsapp, aplicativo que promove todos os tipos de bate papo e muitas vezes usado da forma mais inconveniente e deselegante. Sim, se a pessoa não tem etiqueta pessoalmente, é no mundo virtual que não têm mesmo. Já recebi mensagem, via WhatsApp, de madrugada de pessoas que não informei meu telefone “despachando” assuntos que deveriam ser tratados em outra esfera. Privacidade continua sendo coisa séria. 

Os efeitos da nomofobia? Perdemos a noção de bom senso e dos limites. 

Equilíbrio, essa é certamente a palavra que devemos adotar, se quisermos viver com qualidade de vida e mantendo boa educação. É claro que não é fácil, principalmente porque temos a ilusão de ter o mundo em nossas mãos. Mas experimentar criar limites e hábitos é um exercício. 

Abaixo algumas dicas que podem contribuir para esta “desintoxicação”:


Entre amigos - Se estiver com um grupo de amigos seja durante as refeições ou em um happy hour esteja realmente com eles. Aproveite o momento para conversar, rir e interagir. Evite ficar ao telefone e tirando dezenas de selfies para publicar nas redes sociais. Isso é extremamente desagradável e cansativo. Se você se propôs a sair com seus amigos, então esteja de corpo e alma. 

Durante suas refeições - Evite ficar conectado full time sem saber ao menos o que entra na sua boca. Oxigene um pouco e aproveite o momento para “desconectar”. E após a refeição que tal ler um livro, um jornal, uma revista ou simplesmente dedicar-se ao “far niente” que significa a arte de não fazer nada. Um pequeno descanso, ainda que de poucos minutos, após o almoço permite que você mantenha o dinamismo e recarregue as baterias. 

Limite seu tempo nas redes sociais - Crie o hábito de acessar suas redes em horários específicos. Não seja um viciado que a cada segundo atualiza seus dados. Perceba, a partir dessa postura, como pode aumentar sua produtividade e desempenho, principalmente no trabalho, quando é necessário atenção e dedicação. 

Esteja presente – Seja o que for que você se proponha a fazer, então faça por inteiro. Se for à academia, vá à academia e esqueça seu celular. Se for ao cinema, desligue seu aparelho. Outro dia, estava na missa e uma senhora não parava de tirar fotos e gravar vídeos da missa. Fiquei me perguntando: Para que veio à missa se não presta atenção e ainda me faz pecar, por julga-la. Brincadeiras à parte eu fiquei chocada.  

Mantenha o seu celular no silencioso em sala de aula, no trabalho e ambientes que são compartilhados. Tenha empatia e compreenda que os toques e bipes de mensagens podem incomodar e atrapalhar a concentração dos seus colegas de trabalho e a sua também. 

Grupos de WhatsApp são um grande problema - Evite usá-los durante o expediente, ao menos que seja realmente preciso. Tenha em mente que aquelas mensagens chegando a todo instante podem incomodar e atrapalhar a sua concentração. Já teve a nítida sensação de que alguns grupos parecem que as pessoas não têm o que fazer? Nesses casos, o ideal é deixar no silencioso e desativado. 

Por fim, saia com seus amigos e familiares porque uma boa conversa e uma boa companhia continuam sendo alguns dos prazeres da vida e sobretudo nos lembram que somos seres humanos e não máquinas.

um abraço e uma ótima semana, 

Simara Rodrigues 



quinta-feira, 7 de janeiro de 2016

Faça aquilo que faz o seu coração vibrar



Adoro biografias. Sinto-me motivada e determinada sempre que leio sobre alguém que quebrou paradigmas e ousou ir em busca do seu sonho. 

A revista você S.A. - edição de dezembro - traz a história da lutadora de UFC, Beth Pitbull. Uma história que certamente não é diferente de muitas outras, mas que reforça a crença e a máxima: "Quem quer faz acontecer". 


Conheça a história da contadora que virou lutadora do UFC em dois anos
Até 2011, Bethe Pitbull nunca havia pisado num ringue. Saiba como a paraibana transformou a carreira e conquistou uma vaga no maior campeonato de lutas do mundo

A lutadora brasileira de MMA Bethe Pitbull, de 32 anos, tem um histórico impressionante no Ultimate Fighting Championship (UFC), maior campeonato de lutas do mundo. 

São nove vitórias – duas por nocaute – e apenas uma derrota. Mas poucos sabem que a paraibana Bethelania Correia só descobriu sua vocação em 2011, aos 28 anos de idade. Até então, Bethe se dedicava à carreira de contadora, exercida em escritórios do ramo, em bancos e até na Receita Federal. “Achava a profissão incrível, mas sentia que nunca seria brilhante nela”, diz. Foi para manter a forma que ela se inscreveu, naquele ano, em uma academia de kung fu. “Queria algo mais dinâmico que musculação”. 

O que nem Bethe esperava é que fosse gostar tanto assim das artes marciais. Com três meses de academia, pediu para fazer uma luta amadora. No ringue, ela se descobriu. “Ali decidi que era isso que queria para a minha vida”. A contadora passou a treinar em tempo integral – seis dias por semana, seis horas por dia. A mudança brusca custou o casamento. “Meu marido não aceitou”. A meta de Bethe era chegar ao UFC. “Virei motivo de piada – minha família dizia que eu estava louca e meus colegas falavam que, naquela idade, minha chance de entrar no UFC era 1%”. 

Ela criou essa chance ao reivindicar pelas redes sociais uma luta no Jungle Fight, maior campeonato de MMA da América Latina. A campanha viralizou e, graças à sua insistência, Bethe conseguiu um duelo contra Erica Paes. Contrariando as expectativas, a novata estreou com vitória, chamou a atenção e foi contratada pelo UFC. Em dois anos, havia passado de contadora a atleta de elite das artes marciais mistas.

Em 2015, após três vitórias seguidas, Bethe se tornou a primeira brasileira a disputar um título mundial no torneio, contra a veterana e medalhista olímpica de judô americana Ronda Rousey – única derrota de sua carreira. Hoje, a ex-contadora é motivo de orgulho para a família e conta receber ao menos 15 mensagens por dia de pessoas que se inspiram nela para iniciar uma carreira tardia no esporte. “Hoje eu me encontrei. Pena que demorou tanto”. 


Vaga para estágio na Embaixada do Reino Unido

Pessoal, 


Compartilho post publicado no blog da querida amiga Marcela Brito. 

Dois mil e dezesseis está começando muito bem para o Secretariado Executivo. A Embaixada do Reino Unido em Brasília está recrutando candidatos para vaga de estágio, preferencialmente estudantes de Secretariado Executivo com fluência em língua inglesa. A Embaixada tem preferência em contratar estagiário de minorias étnicas, portanto, se você se encaixa neste perfil, não perca tempo, corra e se candidate!

Aqui você confere alguns detalhes sobre a vaga:

Funções e Responsabilidades:
Auxiliar o gabinete do Embaixador nas tarefas diárias;
Agendar reuniões e fazer contatos com empresas e órgãos do governo;
Escrever relatórios, preparar livretos e enviar convites;
Auxiliar na organização de eventos e participar de eventos quando necessário;
Organizar logística de viagens e visitar programas;
Traduzir documentos e relatórios;
Inserir documentos no banco de dados e atualizá-los; manter o sistema geral completo; preparar fotocópias e distribuir documentos;
Outras tarefas de apoio à equipe.

Valor da bolsa: R$ 12,08 a hora por 30 horas semanais.

Os candidatos interessados deverão enviar uma carta de apresentação de 1 página (em inglês) expondo o motivo pelo qual está concorrendo à vaga e o valor que seu trabalho poderia agregar à equipe. Além disso, os candidatos deverão enviar um CV de, no máximo, 2 páginas, e duas referências para o e-mailrecruitment3.americasregionalhub@fco.gov.uk.


Os candidatos interessados poderão enviar a carta e o CV até o dia 22 de janeiro de 2016 (sexta-feira).


Mais informações no link: 


FONTE: 
http://www.marcelabrito.com/2016/01/vaga-de-estagio-na-embaixada-do-reino-unido/


Trabalho em equipe sempre gera melhores resultados




Em 2012 estive em Mendoza, uma cidade localizada ao oeste da Argentina, aos pés da Cordilheira dos Andes. A região é responsável por aproximadamente 80% da produção de vinho do País e é considerada o “berço das melhores vinícolas Argentinas”. 

Além das centenas de vinícolas, muitas abertas para visitação e degustação, a pitoresca cidade com traços marcantes da Europa, oferece boa gastronomia, paisagens belíssimas e esportes radicais. 

E foi passeando pela cidade em uma tarde que me deparei com a Argentina rafting, uma das empresas que organiza excursões e passeios radicais. O rafting é um dos esportes mais procurados em Mendoza certamente por proporcionar uma aventura regada de belíssimas paisagens. O preço do passeio é a partir de 500 Pesos, cerca de R$ 145,00. 

No dia seguinte, por volta das 08:00 a equipe da Argetina Rafting, muito animada e disposta, nos buscou no hotel rumo às cordilheiras. 

O passeio começou em Potrerillos, um povoado há 80Km do centro de Mendoza. O lugar é simplesmente lindo e a empresa tem um excelente staff no local, com restaurante, vestuário para tomar banho e depósito para os pertences. O pacote que compramos incluía todos os equipamentos e roupa especializada. 

Já com as roupas e equipamentos necessários, subimos até o local da aventura em um ônibus, também oferecido pela empresa. Durante o trajeto de aproximadamente 13Km, os instrutores passavam as informações de segurança e orientações necessárias. Os instrutores são altamente qualificados e preparados para toda e qualquer eventualidade. 

Ao chegarmos ao local nosso instrutor, um peruano incrivelmente gentil, foi designando quem ficaria na frente, no meio, na direita, na esquerda e atrás do bote. Por algum motivo ele me colocou na frente. 

Foi então que meu filho, na época com 15 anos disse com tom de preocupação: "mãe, você não sabe nadar!". Eu prontamente disse: "pisu. A essa altura do campeonato essa não é uma informação relevante. Eu sei boiar". E caímos na gargalhada. 

Os 12 km que remamos corredeira abaixo, sob orientação do instrutor, foram de muita adrenalina e, no meu caso, de medo. A água, certamente pelo degelo das cordilheiras, era congelante e com areia. 

Nosso instrutor dizia com frequência: "se não quiseram cair remem juntos e quando eu disser para parar, parem". Eu nunca havia feito rafting, portanto, não tinha a menor ideia de como fazer. Meu colega, uma espanhol que via meu desespero, me ensinava como remar e ouvir as orientações do instrutor simultaneamente. Minha coordenação motora nunca foi das melhores. 

Muitas vezes o bote batia nas pedras e virávamos de um lado para outro. Quando não eramos surpreendidos com Redemoinho de água. Essa aventura durou cerca de 1h hora e quando chegamos ao final do percurso dentro do botes foi incrível. Todos se abraçaram, felizes e realizados.

Desse dia levei muitas lições para a vida. Além da superação e do medo de água, tive o privilégio, ainda que em um curto espaço de tempo, de aperfeiçoar algo que valorizo e busco em minha rotina. O trabalho em equipe. 

Foi uma experiência singular estar em um bote com pessoas desconhecidas que buscavam o mesmo propósito: chegar no destino final, sem cair corredeira abaixo e com uma feliz experiência.

Ainda que instintivamente alguns inclinassem o corpo para dentro do bote, o que era proibido pois essa ação poderia resultar na virada do bote, conseguimos trabalhar em equipe. Um apoiando o outro. Remando junto e em total sintonia. Como uma espécia de hino todos gritavam: vamos! remem! força! vai! falta pouco. Foi maravilhoso!

Quando aprendemos a “remar juntos” os desafios são facilmente superados. E fica combinado a comemoração é bem melhor. 

Que tenhamos a incrível capacidade de trabalhar em harmonia, respeitando o outro exatamente como ele é, com suas qualidades e limitações. 

um abraço, 

Simara Rodrigues 




Corredeira com um buraco gigante - parecia que nos engoliria. Mas não viramos. Eu estava totalmente dentro d'água. 




Adoro essa foto!



A água barrenta é resultado do degelo







Pose para a foto. E eu feliz da vida. A sensação de estar inteira é maravilhosa. (risos).