quinta-feira, 23 de julho de 2015

Um dia Daqueles!

A nossa imagem é considerada um instrumento de identidade e revela, em muitas situações, indícios sobre o indivíduo ou grupo ao qual ele pertence. Por isso, tanto ouve-se falar da importância desse aspecto no mundo corporativo. 


Mais que mero modismo ou ostentação, a imagem é responsável por mensagens subjetivas, singulares e decisivas. 

Costumo dizer, quando o assunto é vestuário corporativo, que a melhor forma para não errar no dia a dia é buscar a simplicidade, sem ser simplista. O que significa dizer que optar pelo básico e confortável é o caminho. 

Essa semana soube bem o que significado da palavra conforto/praticidade. 

Costumo escolher meu guarda-roupa profissional no domingo, assim, otimizo meu tempo. Então, escolhi usar na segunda feira uma saia-lápis clássica (na altura do joelho), uma camisa de linha – ambas usadas em outras situações e um salto, tudo de acordo com dress code sugerido pela etiqueta empresarial. 

Acontece, que por algum motivo a saia, que sempre caiu muito bem, estava apertada e desconfortável e somente no caminho para o trabalho percebi que não havia sido a melhor escolha. É como se a saia amarrasse as minhas pernas dificultando meu movimento. Um horror!

Resultado: Tive que trabalhar durante todo o dia sentindo-me, literalmente, como um colchão amarrado. E a medida que o dia passava, tinha a sensação que a roupa ficava mais apertada. E com uma rotina extremamente dinâmica tive que disfarçar toda a minha irritação e desconforto com a situação. 

Como desejei que o dia terminasse e eu pudesse arrancar aquela roupa!

Isso me fez pensar sobre a forma como nos vestimos no trabalho e a importância em escolher a peça correta. Tal aspecto, sem dúvida, vai além da boa aparência, mas reflete no resultado do nosso trabalho e produtividade. 

Andar pelo escritório, assessorar meus gestores e organizar tudo que aconteceu naquele dia com todo aquele desconforto sem dúvida refletiu no resultado do meu trabalho.

Fico imaginando quem opta por trabalhar com tomara-que-caia, transparência ou aquele jeans “mega” apertado. Como consegue manter o bom humor e a agilidade? Definitivamente, mais é menos!

Um abraço, 

Simara Rodrigues 


Posts relacionados: 









Sheryl Sandberg - Uma referência quando o assunto é elegância 

2 comentários:

  1. Sempre falo sobre isso em minhas palestras sobre o vestuário ideal. Porque sim, o vestuário no Secretariado tem que ser o mais discreto, mas o mais confortável para quem o usa. Imagina trabalhar com um sapato apertando, um sutiã (que é uma peça que ninguém vê) apertando, uma blusa que mostra a barriga (qual mulher quer ficar mostrando sua barriga?) e por aí vai. Brincos que prendem no cabelo, pulseiras que fazem barulho... são inúmeras as peças que precisam de uma observação para não atrapalharem o desenvolvimento de nossas atividades.

    ResponderExcluir
  2. Karla, se não fosse trágico, seria cômico. rs Te digo que aquele look, nunca mais. rs abraço :)

    ResponderExcluir