quarta-feira, 13 de maio de 2015

Somos o que lemos e conhecemos

Lembro-me de quando estive em Paris, visitando o Museu d’ Orsay - que reúne trabalhos produzidos no período entre 1848 e 1914 e que em minha opinião é um dos lugares mais belos, inspiradores e emocionantes - havia um grupo de crianças, provavelmente entre 9 e 11 anos, tendo aulas de história in loco

A professora explicava sobre os artistas e a história de cada obra ali exposta e os alunos, assim, iam se familiarizando com aquele universo. Imagino que quando adultos não terão qualquer dificuldade em falar sobre a arte e a história de seu País e os marcos históricos. 

Enfim, tudo são hábitos que uma sociedade cultiva e que consequentemente possibilitam o desenvolvimento social e do capital humano. Mais habitual ainda na Europa são pessoas - crianças, adultos e idosos - lendo enquanto aguardam o metrô. 

Então, o que dizer quando nos deparamos com uma pesquisa que afirma que 70% dos brasileiros não leram seque um livro em 2014 e 92,5% não costumam ir à exposição de arte? Embora, num primeiro momento, pareça um hábito burguês é importante compreender que o conhecimento, desde sempre, formou seus pilares dentro da sociedade, e é sem dúvida, fonte de inspiração, sabedoria e desenvolvimento social. 



70% dos brasileiros não leram em 2014, diz pesquisa da Fecomercio-RJ
Leitura de livros caiu de 35% para quase 30% dos entrevistados. 
Sete em cada dez pesquisados não leram um único livro em 2014.

Sete em cada dez brasileiros não leram um livro sequer no ano passado, revela pesquisa da Federação do Comércio do Rio de Janeiro sobre os hábitos culturais, feita em 70 cidades de nove regiões metropolitanas.

O mapa do lazer do brasileiro revela um consumidor sem muito entusiasmo pela arte e literatura. 55% dos brasileiros responderam que não fizeram nenhuma atividade cultural em 2014. Em 2013, essa porcentagem era de 49%.

A leitura de livros caiu de 35% para quase 30% dos entrevistados. 70% dos pesquisados não leram um único livro neste ultimo ano.

O uso da internet, facilitado pelos smartphones é apontado na pesquisa como um dos responsáveis pela queda na leitura, principalmente entre os jovens.

Os frequentadores de cinema também diminuíram no ano passado. Já as idas ao teatro dobraram em relação a 2009.

Mas, ainda assim, 89% não assistiram uma peça sequer entre 2013 e 2014.

A resposta da maioria dos entrevistados é que eles não lêem ou não freqüentam atividades culturais por falta hábito. Mas, para os pesquisadores, a situação econômica do país também interfere no lazer dos brasileiros e muitos consumidores concordam com isso.

“O crescimento da economia está menor em 2015, a propensão das pessoas a frequentar ambientes culturais provavelmente vai ser muito próxima da de 2014. Então, é importante apostar em promoções, parceria com outras empresas, inclusive de outros segmentos, para atrair esse consumidor que esá mais desconfiado”, aponta Christian Travassos, gerente de economia da Fecomercio-RJ.

Fonte: 



Foto: banco de imagens facebook. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário