terça-feira, 6 de janeiro de 2015

Como não aprender outro idioma

É, geralmente, em Janeiro que as pessoas fazem suas promessas: "Este ano vou estudar inglês", "vou entrar na academia", "vou fazer uma  especialização"....

Particularmente não sou adepta a fazer do mês de janeiro o mês das metas, dos planos, das promessas. Penso que esse processo deve ser visto e revisto sempre que necessário ao longo do ano. 

De qualquer forma, começar a planejar é metade do caminho. Por isso, "pegando o gancho" desse momento -  em que a maioria das metas são traçadas -  compartilho algumas dicas publicadas no site da Universia que poderão contribuir para o aprendizado de outros idiomas. 

Abraço, 

Simara Rodrigues 



Conheça 3 erros comuns na hora de aprender um idioma e saiba como evitá-los


A importância de aprender novos idiomas, como o inglês ou o espanhol é inegável: ter o domínio de um novo idioma pode ser o primeiro passo para o sonho do intercâmbio ou uma boa oportunidade de emprego, por exemplo. Por causa disso, é muito comum que as pessoas tentem aprender a segunda língua depressa e, nessas condições, acabem cometendo erros que podem prejudicar o aprendizado.

Para evitar que isso aconteça, a Universia Brasil reuniu alguns desses deslizes em uma lista. Veja quais são esses maus hábitos e saiba como driblar tais armadilhas.


1 – Praticar com frases feitas

O idioma, como um todo, é um complexo sistema organizado de maneira lógica, portanto, o aluno deve compreender as estruturas e o sentido de cada palavra. Praticar com clichês como “the book is on the table”é prejudicial, pois você estará apenas repetindo o que ouviu, sem contextualizar a frase ou compreender seu significado real.


2 - Ler obras muito complexas

Não é indicado que principiantes tenham o primeiro contato com a literatura do idioma através de livros complexos demais (com vocabulário específico, por exemplo) ou clássicos muito antigos, cuja linguagem está desatualizada. O motivo é simples: o estudante encontrará muitas barreiras e não irá compreender a obra verdadeiramente. Ou pior, pode se sentir desestimulado a seguir com outros livros. O ideal para quem está começando é adotar livros infantis – independentemente de sua idade - pois a linguagem costuma ser mais simples e as histórias são ilustradas, o que permite maior compreensão.


3 – Dar prioridade para a escrita

É claro que conhecer a ortografia correta das palavras e as regras da gramática é importante, porém, focar demais apenas no conteúdo dos livros não propicia uma experiência global de aprendizado. Habilidades como falar e ouvir devem ser praticadas sempre que possível. Assistir a filmes sem legendas, ouvir músicas e cantar são ótimas maneiras de desenvolver esse potencial.

Fonte: Universia Brasil

Nenhum comentário:

Postar um comentário