terça-feira, 30 de setembro de 2014

Feliz Dia da (o) Secretária (o)



Ao longo do tempo, principalmente com a chegada da globalização e dos avanços tecnológicos, o profissional de Secretariado Executivo foi desafiado a incorporar em seu perfil a capacidade de multifuncionalidade.


Somente um Secretário sabe o quão exaustivo é ser intuitivo, proativo, criativo, cúmplice, discreto, gestor de conflitos, gestor administrativo e financeiro, muitas vezes um pouco psicólogo, ouvinte, confidente, sem deixar de mencionar a necessidade que há em conhecer o negócio, a missão, os serviços prestados, o quadro de pessoal, ou pelo menos, TODO o corpo dirigente da empresa e com tudo isso, muitas vezes nem recebemos o devido reconhecimento. 

Nada mais surreal do que simultaneamente atender as chamadas de clientes, digitar um documento e ouvir o colega que para em frente a estação de trabalho em busca de apoio. E as especializações? Atualizações? Curso de línguas? E as novas regras do nosso português? E as novas tecnologias? Tarefa realmente árdua.

Profissão admirável! Este profissional há de ser otimista e sempre pronto para novos desafios, com um dom divino para administrar oscilações de humor, relacionamentos interpessoais e conciliar seu trabalho e vida pessoal.

Logo, o sucesso será consequência de toda dedicação e vocação que o cargo exige, por isso vale lembrar que a profissão de Secretariado Executivo só deverá atrair profissionais decididos e comprometidos com o trabalho, porque secretariar, mais do que uma opção é uma arte! 

Meus parabéns e o meu mais profundo respeito aos profissionais que exercem essa profissão admirável! 


Um abraço, 

Simara Rodrigues

sábado, 27 de setembro de 2014

Dissertação de Mestrado aborda a história da profissão de Secretário

Compartilho material extraído do blog da Professora e autora Eliane Wamser que trata da história da profissão de Secretariado. Tive o privilégio de conhece-la, pouco tempo atrás, e guardo boas lembranças dessa pessoa gentil, doce e inteligente. 

Para àqueles que têm vontade e interesse em conhecer a profissão, é uma ótima leitura. 


Dos Escribas à Internet: um pouco da história da profissão de Secretário (parte VII)

AS COMPETÊNCIAS QUE FAZEM A DIFERENÇA

As opções de carreira dos profissionais que atuam nos escritórios estão se expandindo rapidamente como resultado da automação dos serviços administrativos. As inovações tecnológicas têm gerado mudanças na operacionalização de inúmeras atividades administrativas, bem como no gerenciamento da informação, possibilitando novas oportunidades de desenvolvimento profissional. Como consequência, passa-se a exigir do trabalhador cada vez mais profissionalismo. (Jaderstrom et al. 1997, p. 3).

Inúmeras organizações estão revolucionando seus ambientes de trabalho. É o que Junqueira (1996, p. 82) denomina de “ambientes revolucionários de trabalho, onde está havendo uma passagem de sistemas tayloristas para sistemas de gestão na base de equipes autogerenciadas.” Esta revolução tem como objetivo o aumento da eficiência e produtividade, competir com a concorrência internacional e atender aos clientes cada vez mais exigentes em termos de qualidade, preços e valores agregados para encantá-los.

O secretário executivo que sempre ocupou uma posição privilegiada junto aos executivos que tomam as decisões, pelo fato de ser detentor de informações sigilosas, também teve seu trabalho afetado pelo corte de pessoal motivado pela reestruturação das organizações. Passou a acumular tarefas, ganhou mais autonomia e mais executivos para gerenciar. Precisa ter uma preocupação com o todo empresarial, com a produtividade, com a qualidade, com o lucro. Agora, é visto como um produtor de lucros e resultados e administrador de informações. É, na verdade, um executivo adjunto.

Em seu papel atual de extensão do executivo, de acordo com a Proposta de Diretrizes Curriculares para os Cursos de Secretariado Executivo, elaborada pela Comissão de Especialistas de Administração do Ministério da Educação, um secretário executivo deve ter o seguinte perfil:

gestor; empreendedor; inovador; programador de soluções; iniciativa; criativo, dinâmico, polivalente; negociador; culto; participativo; conhecedor de tecnologia, comunicação e pesquisa; gestor do fluxo de informações, indispensável às decisões do executivo; conhecedor de gestão estratégica; discreto – conhecedor de cerimonial; administrador de conflitos; leitor de ambientes para fins de veiculação de mudanças na estrutura logística e nas relações interpessoais; competência interpessoal, grupal e organizacional [...].

A tecnologia de informação e de comunicação continuará a impulsionar as mudanças e isto provocará uma constante redefinição do papel do secretário executivo e dos profissionais de escritório, de forma geral. Para continuarem a fazer parte do time que administra, indiferentemente do título do cargo, as organizações exigirão novas competências, além da habitual competência técnica. As tarefas estão se tornando, gradativamente, mentais e mutáveis à medida que deixam de ser repetitivas e musculares.

Para Chiavenato (1996, p. 146), “os cargos estão deixando de ser individualizados e confinados socialmente para se tornarem socialmente interdependentes e com forte vinculação grupal”, privilegiando, assim, as relações interpessoais e o espírito de equipe. No entender de Medeiros e Hernandes (1995, p. 20), a competência de um secretário executivo deve ser avaliada “por sua habilidade em lidar com pessoas”, e não somente por sua capacidade em lidar com papéis e objetos materiais.

Diante deste contexto, as organizações começam a dar um sentido mais amplo e abrangente para a avaliação do desempenho de seus empregados, envolvendo novos aspectos, como competência pessoal, tecnológica, metodológica e social.

Os profissionais do secretariado, como todos os profissionais rumo ao século XXI, devem estar capacitados a aprender a aprender, saber pensar estrategicamente, responder criativamente a situações novas e inusitadas, agir pró-ativamente. O secretário executivo, para manter-se empregável, assumir e desempenhar as novas atribuições que lhe são delegadas, deve procurar desenvolver essas competências.

Muito se tem falado na extinção da profissão de secretário. Natalense (1998, p. 4) acha interessante que os comentários, muitas vezes, sejam “feitos por consultores e empresários, profissionais habituados a lidar com constantes mudanças organizacionais [...].” Em seu parecer, isto comprova a falta de informação que ainda existe sobre a profissão no Brasil. Uma falta de informação não só por parte de consultores e empresários, mas, principalmente, por inúmeros profissionais que não estão atentos às muitas mudanças no mercado de trabalho e não percebem o espaço que têm para desempenhar suas atividades. Assim, deixam de desenvolver as diferentes competências que as organizações procuram num profissional.

A palavra competência é aqui usada para designar as capacidades que possibilitam a um profissional exercer sua profissão com excelência e ser empregável, reconhecendo a sua função social no contexto em que está inserido.

O entendimento dessas novas competências está baseado na definição apresentada por Chiavenato (1996, p. 146) ao analisar as novas tendências em avaliação do desempenho humano nas organizações, quais sejam:

a) Competência pessoal - principalmente, a capacidade de aprendizagem e absorção de novos e diferentes conhecimentos e habilidades.

b) Competência tecnológica - principalmente, a capacidade de assimilação do conhecimento de diferentes técnicas necessárias ao desempenho da generalidade e da multifuncionalidade.

c) Competência metodológica - principalmente, a capacidade de empreendimento e de iniciativa para resolução de problemas de diversas naturezas. Algo como espírito empreendedor e solucionador espontâneo de problemas.

d) Competência social - principalmente, a capacidade de se relacionar eficazmente com diferentes pessoas e grupos, bem como desenvolver trabalhos em equipe.

Reich (1994, p. 168), ao realizar estudos em torno do trabalho das nações, define o secretário executivo como executor de serviços simbólico-analíticos, classificando-o como “analista-simbólico”. Classifica-o como pertencente às “categorias tradicionais”, quais sejam: gerência, secretaria e vendas, pelo fato dessas se sobreporem a mais de uma das categorias funcionais por ele apresentadas (serviços rotineiros de produção, serviços pessoais e serviços simbólico-analíticos).

Apenas algumas das pessoas que são classificadas como ‘secretárias’, por exemplo, executam estritamente tarefas rotineiras, como introduzir e recuperar dados em um computador. Outras ‘secretárias’ executam serviços pessoais, como marcar compromissos e servir café. Um terceiro grupo de ‘secretárias’ executam tarefas simbólico-analíticas estreitamente ligadas ao que fazem seus chefes. (Reich, 1994, p. 168.). 

Na opinião de Reich (1994, p. 214), abstração, raciocínio sistêmico, experimentação e colaboração são as quatro aptidões básicas para um analista-simbólico estar preparado a atuar em organizações na identificação e resolução de problemas e promoção da venda de soluções para tais problemas. Um analista-simbólico tem formação universitária, mas seu aprimoramento não termina com a formatura. Está continuamente se atualizando, enfrentando o desafio do aprender a aprender. “Portanto, inútil pensar numa educação formal com término estabelecido. Não bastam cursos de segundo e terceiro graus para exercer com competência a função de secretário, que exige aprimoramento permanente.” (Medeiros & Hernandes, 1995, p. 20).

O mercado absorverá, cada vez mais, profissionais bem preparados, com iniciativa, criatividade, visão global dos negócios, entusiastas, polivalentes. Cada vez mais, uma educação continuada será requerida para os profissionais acompanharem a transição para um escritório eletrônico e, consequentemente, responder às demandas do mercado (Jaderstrom et al., 1997, p. 3).

Quais são as exigências ao se contratar um secretário executivo?

Nas palavras da SECRETÁRIA C, a gerência de Recursos Humanos da organização na qual trabalha faria as seguintes exigências se precisasse contratar um para a diretoria:

curso superior; inglês fluente; conhecimentos de informática; [...] visão holística, porque não poderia contratar uma pessoa que não tivesse ideia do que é realmente uma empresa; no mínimo dois anos de experiência; [...] ele disse que seria importante, na entrevista, a tonalidade da voz, postura, aparência. Também são importantes os modos, o jeito de se portar. Tudo isso faz parte. Felizmente ou infelizmente, a nossa função requer muito mais requisitos do que as outras. [...] Temos que nos vestir de uma forma adequada. Não podemos nos portar igual a uma pessoa que vai de minissaia [...]


A SECRETÁRIA B, também, ressaltou a importância da postura profissional, da discrição e sobriedade no modo de se vestir, do tom de voz ao tratar com as pessoas com quem trabalha e se relaciona no cotidiano. A prudência e a discrição são qualidades indispensáveis a um profissional do secretariado, pois evitam que se envolva e intervenha quando não deve fazê-lo. Conforme Faria (1986, p. 160), deve trabalhar com cautela para não cometer imprudências, pois uma imprudência pode levar a situações difíceis. Assim, ao ser discreto, conquista a confiança que merece, evitando fomentar a discórdia e o uso de tráfico de influências.

Geralmente um secretário executivo trabalha com pessoas importantes, que têm um nome dentro e fora da comunidade a zelar. E como tal é muito bajulado pelas pessoas com as quais tem contato frequente, pois cada uma tem interesses próprios a serem defendidos. Como elo entre essas pessoas e sua chefia, deve estar preparado para administrar essa situação.

A SECRETÁRIA A recorda que, como secretária, era sempre muito bajulada.

Recebíamos visita das agências A, B, e C querendo prestar serviços. A agência “A” mandava perfumes, a “B” convidava para um jantar; a “C” mandava um presente; o banco tal oferecia cartão de crédito sem pagar a anuidade; o outro banco oferecia cheque especial à taxa de juros menores.

Em sua opinião, esta situação é muito comprometedora e perigosa e é preciso saber administrar isso, não se deixando levar por presentes e agrados típicos de pessoas que querem alcançar suas metas, não pela competência, mas bajulando quem está próximo à pessoa de decisão. Na opinião de Faria (1986, p. 160), o secretário executivo precisa ter personalidade para atuar corretamente, para sobressair sem se impor, defender seu ponto de vista sem agredir e admitir a mudança de opinião.

Enquanto estiver trabalhando numa determinada organização, o secretário executivo assume como sobrenome o nome da organização. “Se você, por exemplo, trabalhasse no banco, o seu sobrenome seria Tereza Banco Boston. Então, nós somos visados porque as pessoas sabem que a secretária é poderosa [risadas]. Eu acho secretária poderosa e esse poderoso, esse poder, ela tem que saber administrar e, às vezes, é fácil se deslumbrar.” (SECRETÁRIA A).

Daí a importância da ética profissional, que é o conjunto de princípios que regem a conduta dos seres humanos no exercício da profissão escolhida. De acordo com Medeiros e Hernandes (1995, p. 45), “a ética é utilizada para conceituar deveres e estabelecer regras de conduta do indivíduo, no desempenho de suas atividades profissionais e em seu relacionamento com clientes e demais pessoas.” A profissão de secretário também tem seu Código de Ética Profissional com o objetivo de fixar as normas de procedimentos dos profissionais quando no exercício de sua profissão. Foi publicado no Diário Oficial da União, em 7 de julho de 1989, e deveria ser do conhecimento dos profissionais que vão se candidatar a uma vaga de secretário.

A SECRETÁRIA C é de opinião que, daqui para a frente, as organizações começarão a contratar profissionais com “formação superior em secretariado. Não vão mais se formar, naturalmente, dentro das empresas. [...] Na minha época não havia o curso superior de secretariado e acabávamos aprendendo na prática.”

De acordo com a EQUIPE III, que teve uma componente visitando três organizações (EMPRESA A, EMPRESA B e EMPRESA C) localizadas em São Paulo, para levantar algumas informações sobre a realidade da profissão nesse mercado, os requisitos para a contratação de um secretário executivo são, basicamente, os seguintes: registro na Delegacia Regional do Trabalho (DRT); curso superior; fluência em inglês e espanhol; experiência mínima de 3 (três) anos; boa aparência; amplos conhecimentos em informática; liderança, confiabilidade; espírito de equipe.

Para a contratação de um secretário júnior ou de gerência, é exigido, preferencialmente, registro na Delegacia Regional do Trabalho (DRT); curso superior (cursando); bons conhecimentos em inglês e espanhol; experiência mínima de um ano; boa aparência; conhecimento nas rotinas do escritório; conhecimentos em informática; facilidade para se relacionar.

Em São Paulo, um secretário executivo só é admitido se tiver registro no DRT. Por “boa aparência” entende-se postura profissional, e não a aparência física. Medeiros e Hernandes (1995, p. 24) reforçam este entendimento quando afirmam que “os executivos preferem uma profissional que possa ser sua assistente a uma profissional que apenas procure tirar partido de sua apresentação impecável.”

A secretária executiva da EMPRESA A assessora totalmente a diretoria. Atua em todas as atividades e eventos culturais dentro da empresa, como seminários, workshops, convenção nacional de vendas. É responsável pelas atividades de relações públicas da empresa como um todo. Além disso, coordena e orienta o trabalho das outras secretárias da empresa. Não que seja chefe delas, apenas as orienta. Por isso, a exigência de liderança e confiabilidade, visto que orienta e interage com a equipe com quem trabalha. A EMPRESA A está investindo no ”material humano dentro da empresa, investindo em quem está lá, proporcionando a oportunidade de fazer cursos, seminários e atualização. Eles dão muito, muito valor a quem não para no tempo.” (EQUIPE III).

Ao visitar a EMPRESA B, também teve a oportunidade de conversar com a secretária executiva, que é formada em secretariado executivo e trabalha junto à diretoria há muitos anos. “Ela tem um alto grau de confiabilidade pela diretoria. Tão grande é o grau de confiabilidade que ela representa a empresa quando eles [os diretores] não podem. Ela vai a reuniões, anota, opina e trabalha como se fosse uma diretora; seria uma coadjuvante.” (EQUIPE III).

Essa secretária vai se aposentar daqui a cinco anos e a empresa já contratou uma secretária júnior para aprender seu serviço e estar apta a assumir o cargo de secretária executiva quando de sua aposentadoria. Eles exigem cinco anos de experiência e sua preocupação é compreensível pelo fato de ser uma empresa grande, que trabalha com o mercado japonês. Querem uma pessoa extremamente confiável e assim têm cinco anos para analisar seu trabalho e avaliar sua competência.

Na EMPRESA C, a secretária executiva é responsável pelo departamento de assistência à diretoria. Assessora dois diretores, um americano e o outro brasileiro. Coordena o trabalho de quatro profissionais, sendo duas secretárias e dois assistentes de serviços gerais. Ela aboliu o departamento de comunicações da empresa e assumiu a responsabilidade de suas atividades, dividindo seu departamento em secretariado, correspondência e serviços gerais. Assim, as secretárias trabalham diretamente com ela nas atividades relacionadas à diretoria e os dois assistentes atuam no setor de correspondência e serviços gerais, porque ambos estão interligados. É responsável pela administração de uma conta de US$ 70,000.00, quantia destinada para a manutenção do seu departamento. É ela quem faz o orçamento e tem de prestar contas, pois como em toda a empresa, os números são muito importantes. Esta secretária executiva “é falante fluente de inglês e espanhol; é formada em Secretariado Executivo Bilíngüe. Anualmente, faz cursos de aperfeiçoamento fora e dentro da empresa. Veste elegantemente tailleur, sapato com salto baixo, maquiagem leve.” (EQUIPE III).

Se considerarmos o perfil e a atuação das secretárias executivas dessas empresas e verificarmos a classificação feita por Reich (1994, p. 168), que dividiu as funções em três amplas categorias de trabalho, podemos classificá-las no terceiro grupo de secretários, os que executam tarefas simbólico-analíticas, e como tal necessitam de formação universitária e aperfeiçoamento constante. São os profissionais preparados para atuar na identificação e resolução de problemas, e na tomada de decisões. O secretário júnior, por sua vez, faz parte da categoria dos secretários que executam serviços pessoais.

Como estamos a caminho de uma nova espécie de organização e, por conseguinte, de um novo profissional, permitimo-nos, por analogia, dizer que ao longo deste caminho está surgindo, também, um novo profissional do secretariado. Está nascendo o “secretário executivo analista-simbólico” e se extinguindo, parcialmente, aquele que faz única e exclusivamente tarefas rotineiras e/ou executa serviços pessoais. Por que parcialmente? Porque sempre haverá organizações recrutando pessoas para trabalhos rotineiros e pessoais, e do mesmo modo sempre haverá “secretários” para executá-los em decorrência de uma formação profissional carente ou servindo para adquirir experiência até chegar a ser “secretário executivo analista-simbólico”, enquanto estiver estudando numa universidade, por exemplo.

A opinião de um executivo

Para o Diretor-Presidente de uma empresa localizada na região do Vale do Itajaí, convidado pela Equipe III para participar do Seminário de Estágio Supervisionado, 

uma secretária, acima de tudo, é o braço direito e o braço esquerdo e, muitas vezes, a cabeça do presidente. [...] Ela tem que lembrar, cobrar, brigar e absorver a empresa. Ela tem que vestir a empresa e defendê-la sempre. É um outro diretor; um diretor substituto. (DIRETOR).

Ao falar sobre o que espera de um profissional do secretariado, o DIRETOR referiu-se à competência, ao grau de instrução, à fluência em idiomas, aos conhecimentos e cultura geral, à desenvoltura e agilidade na execução de tarefas (iniciativa e dinamismo), à autonomia.

Considera a competência fundamental e “é agregada a uma outra coisa que se chama atualização. Para você ser cada vez mais competente, tem que estar sempre atualizado, ir atrás das informações e saber onde estão as oportunidades [...].” Por isso, acredita que quanto mais estudo, mais abrangente fica o nível de absorção de informações e, consequentemente, mais segurança terá na identificação e resolução de problemas e na tomada de decisões, se for o caso.

Quanto aos idiomas, é de opinião que “os dois idiomas mais importantes para nossa região são o inglês e o espanhol. Eu não teria certeza qual colocaria em primeiro, mas pelo nível de empresa regional, o espanhol. O inglês é quase que uma necessidade.”(DIRETOR). Assim como é necessária a cultura geral.

Na minha empresa, quando contrato uma pessoa, vou basicamente num ponto: iniciativa e dinamismo. Essa pessoa tem condições de crescer mesmo sem treinamento [...] A que não tem esses dois pontos não adianta. Pode-se dar dez anos de treinamento, que ela não desenvolve. Não consegue atuar de forma significativa na função em que foi solicitada. [...] Nós temos que ser dinâmicos. A secretária tem que pensar, muitas vezes, na frente do chefe. Se o chefe não gosta que ela tome decisões, deve entregar os fatos para ele. Se você sabe que ele vai pedir um número de telefone, já vai com o número de telefone. Mostre a capacidade e a força que tem uma secretária.(DIRETOR).

É fundamental que o secretário executivo tenha desenvoltura e agilidade na execução de tarefas, assim como iniciativa e dinamismo, pois muitas vezes vai decidir na ausência do chefe. “Normalmente, está trabalhando com um diretor ou gerente administrativo, ou normalmente com um cargo do alto escalão. Uma pessoa que trabalha nesse nível empresarial, necessita que as pessoas que a rodeiam, tragam-lhe informações com absoluta precisão.” (DIRETOR). A certeza de que a informação que vem da pessoa que está trabalhando ao lado é correta e confiável, “é a garantia e a confiabilidade que vai existir no profissional” (DIRETOR), por parte da chefia.

Para este executivo, pode-se delegar praticamente qualquer coisa a um secretário executivo, desde que tenha capacidade. No entanto, ressaltou que em nossa região ainda “existem algumas barreiras. Os nossos profissionais ou diretores de empresas são muito patriarcas, fechados e, dificilmente, vão admitir uma pessoa formada com o título de secretário, tomando decisões. [...] É muito importante vencer essa barreira no mercado. É mostrar a capacidade que vocês têm.” (DIRETOR). É ter criatividade para apresentar ideias que facilitem a solução de problemas e otimizem os processos e métodos de trabalho, eliminando atividades desnecessárias, para o melhor gerenciamento do tempo de trabalho.

Texto extraído de:
WAMSER, Eliane. O impacto das mudanças organizacionais na profissão de secretário e a contribuição do estágio supervisionado em sua formação. 208f. 2000. Dissertação (Mestrado em Educação), Universidade Regional de Blumenau, Santa Catarina, 2000.

Fonte: 

http://a-secretaria-que-faz.blogspot.com.br/2014/09/dos-escribas-internet-um-pouco-da_46.html


sexta-feira, 26 de setembro de 2014

Vagas para estágio na área de Secretariado Executivo


Empresa: privada – 0814.3017 /Sem.: 3°/ Vagas: 1/ Asa Sul/ Bolsa: R$ 600 + AT/ Período: 13h30 às 17h30/ Conhec. Exigidos: curricular/ Enviar currículos para selecao.iel@sistemafibra.org.br e no assunto coloque: 0814.3017

Empresa: privada – 0914.3050/Sem.: 2°/ Vagas: 2/ Recanto das Emas/ Bolsa: R$ 520 + AT/ Período: 13h às 18h ou 16h30 às 21h30/ Conhec. Exigidos: Informática e digitação/ Enviar currículos para: curriculos.iel@sistemafibra.org.br e no assunto coloque: 0914.3050

Empresa: privada – 0914.3060 /Sem.: 2°/ Vagas: 1/ Asa Norte/ Bolsa: R$ 732 + AT/ Período: 8h às 14h/ Conhec. Exigidos: Word e Excel/ Enviar currículos para curriculos.iel@sistemafibra.org.br e no assunto coloque: 0914.3060

FONTE:

http://blog.upis.br/index.php/oportunidades-de-estagios/

Dicas de etiqueta para o Dia da (o) Secretária (o)


Dia 30/09 é o Dia da (o) Secretária (o) e para comemorar esta data algumas empresas costumam encaminhar brindes e/ou organizar eventos, em agradecimento aos profissionais da área. É uma simples homenagem. 


Por isso, embora as regras de etiqueta estejam menos rígidas, é sempre importante lembrar que alguns comportamentos e posturas continuam valendo e são essenciais para não fazer feio nos eventos em geral.

Fui convidado para a comemoração e agora? 

Uma das gafes mais cometidas é levar para a festa alguém que não foi convidado. Se o anfitrião convida você e o convite não inclui acompanhantes significa que o convite não se estende aos demais e levar acompanhantes seria uma grosseria e deselegância. Isto porque envolve uma série de questões para os organizadores como, por exemplo, custos e infraestrutura. 

Além disso, se no convite constar a informação “pessoal e intrasferível” não há o que contestar. Por isso, o elegante é que você confirme a sua presença apenas. Não queira ser o porta-voz da área ou da empresa e reivindicar o convite para outras pessoas. 

Outro erro grotesco é passar um convite para outra pessoa quando não se pode comparecer. A ideia desses eventos é confraternizar e agradecer àqueles que contribuíram com a rotina de trabalho. 

RSVP 

A sigla RSVP é a abreviatura de Répondez S'il Vous Plaît, que significa “Responda se desejar”, ou seja, é o tradicional pedido de confirmação da presença. Por isso é importante que o convidado retorne para a pessoa que o convidou. A confirmação em eventos é, além de educado, a forma que o anfitrião tem de organizar a infraestrutura e logística necessária para melhor receber os convidados. E se você confirmou a presença e antes da ocasião descobre que não poderá ir, ainda assim comunique. 

Horário 

Tenha o bom senso de chegar após a hora marcada e não espere o “apagar das luzes” para ir embora. Esse tipo de evento não é para você se “esbaldar” mas uma ótima oportunidade para encontrar amigos e estabelecer laços. Por isso, fique atento ao movimento e não espere que o garçom passe recolhendo seu copo. 

Fotografias

Não insista para ser fotografado o tempo todo. Não monopolize o fotografo. Haverá o momento em que todos presentes serão fotografados. Afinal, essa é a orientação dos organizadores. 

Durante o evento 

Não altere as mesas que foram dispostas no salão de maneira organizada só para sentar-se com aquele grupo de conhecidos. É muito comum em festas ver pessoas trocando de lugar ou arrastando mesas e cadeiras para ficar ao lado dos amigos. Saiba que isso é uma falta de consideração com quem organizou a festa, considerando que houve uma preparação e um porquê da distribuição imposta. 

Evite exageros 

Não exagere na bebida e nem na comida para não passar vexame. Não peça para o garçom encher o seu copo. Eles são orientados a servir menos e mais vezes para que a bebida não esquente. Além disso, este ambiente não será o apropriado para que você “encha a cara”. 

Não caia na tentação de encher um pratinho de doces ou salgados e levar para a mesa, a não ser que na sua mesa tenha alguém que não possa se levantar para pegar. Do contrário é muita falta de educação. O objetivo da mesa de doces e salgados é fazer com que as pessoas circulem, encontrem conhecidos, além de, é claro, recepcionar bem todos convidados. 

Recebi um presente e minha colega de trabalho não, o que devo fazer?

A etiqueta diz que é educado agradecer a gentileza do envio. Logo, não estenda sua fala informando que seu colega de trabalho não ganhou nada e que não acha justo e blá blá blá. É importante saber, que durante o planejamento e preparação há esse cuidado, por parte dos organizadores, em estabelecer uma lista. Por isso, não seja indelicado interferindo em uma lista que foi previamente estabelecida. 

As boas maneira falam muito sobre nós e podem mudar o rumo de nossa carreira. Além do mais, etiqueta não dá para não ter! 

Um abraço 

Simara Rodrigues

quinta-feira, 25 de setembro de 2014

Você é do tamanho dos seus sonhos

Parece clichê, mas não conheço ninguém que tenha ido em busca de um sonho e não tenha encontrado.

Acredito que o primeiro passo para a realização pessoal e/ou profissional está em: 
Sonhar 

Ao ver o vídeo abaixo percebo o quanto de vontade, determinação e sonho há em cada um de nós.

Hoje, minha dica é: Nunca deixa de sonhar e Realizar!

Um abraço,

Simara Rodrigues




Fonte: https://www.youtube.com/watch?v=U5StFh-Wh7E


quarta-feira, 24 de setembro de 2014

Por que a disciplina Gestão de Eventos é importante para a atuação do Profissional de Secretariado?

A disciplina Gestão de Eventos, ministrada no 7º semestre do Curso de Secretariado Executivo da UPIS, visa transmitir aos alunos um método sistemático com linguagem específica para a área de formação. 


Além isso, a disciplina possibilita perceber o tema Eventos não como tarefa operacional, às vezes realizada por amadores, mas como instrumento estratégico de comunicação dentro da Organização.

Nesse sentido, os alunos do 7.º semestre vivenciam, na prática, a realização de um grande evento desde o planejamento, logística, protocolo e todas as etapas necessárias. 

Este ano, o tema escolhido pela turma é: "O Secretariado e as mudanças no perfil profissional". Na ocasião, contaremos com a participação de palestrantes renomados para explanar o assunto.

Costumo dizer que conhecimento não ocupa espaço, mas acima de tudo, conhecimento é o que difere cada individuo inserido na sociedade. Por isso, percebo que nesse momento há oportunidade para todos os envolvidos - Os organizadores que levam a experiência em realizar um evento desse porte e os participantes ao adquirir novos saberes! 

E por que esse momento e essa disciplina são importantes para a atuação do Profissional de Secretariado? Que tal você verificar com os seus próprios olhos? 

Faça sua inscrição pelo e-mail: saseupis@outlook.com 


A participação é gratuita! 




Um abraço e até lá! 









Todas as fotos das ações Institucionais realizadas para divulgação do evento, no Departamento, estão disponíveis no fan page:
https://www.facebook.com/14semanasecretariadoexecutivo


Gentileza gera gentileza


Quanta verdade em tão poucas palavras. Acredito, de corpo e alma, que quem grita primeiro, sempre perde a razão e é aí que mora o perigo! 

Gentileza, embora esteja em desuso, deveria ser o ponto de partida - Em qualquer situação! 


Repare como a delicadeza costuma vir das pessoas mais bem resolvidas, confiantes, que parecem estar no comando – e elas estão. Estas são as fortes de verdade. E, o mais importante: tornam-se ainda mais fortes com seus gestos e palavras suaves e gentis, pois a partir delas conquistam os demais, e assim ganham respeito, confiança e poder -  (Eugênio Mussak)

terça-feira, 23 de setembro de 2014

Resultado do 1° Concurso cultural do Departamento de Secretariado

E o vencedor do 1° Concurso cultural do Departamento de Secretariado Executivo da UPIS foi o queridíssimo aluno Stevão Randolfo. 


Como prêmio, ele participará do 14º Simpósio Nacional de Desenvolvimento Profissional para Secretariado Executivo, Assessores e Assistentes a realizar-se em Brasília, dias 25 e 26/09. 


Stevão,

Parabéns pelo trabalho apresentado e pela participação. Estou orgulhosa de você!
O conteúdo será publicado em breve aqui no blog!


Professora Dora Aguiar, Chefe do Departamento, no momento do anuncio :) 









segunda-feira, 22 de setembro de 2014

Processo seletivo para Instrutor no SENAC - Técnico em Secretariado

Bom dia pessoal!

Vi no site http://assessoriaexecutivabsb.com da queridíssima Karla Mustafa informações sobre processo seletivo para Instrutor no SENAC e compartilho aqui no Blog. 

Se você não conhece o site http://assessoriaexecutivabsb.com dá uma olhadinha. Você encontrará ótimas dicas sobre o universo dos Secretários. 

E sobre o processo: 


Cargo: INSTRUTOR - Técnico em Secretariado
Requisitos: Profissional de nível superior completo em Secretariado Executivo, com conhecimentos em Organização dos Processos de Trabalhos Secretariais. Experiência mínima de 6 (seis) meses em secretariado.
Período de inscrições: 21/09/2014 a 20/10/2014 (00:00)
Vagas: 4
Remuneração: R$ 30,23 (20h semanais)

Informações: Qualquer dúvida ou sugestão, por gentileza contate o Programa de Educação Corporativa - PROEC pelo e-mail: educacaocorporativa@senacdf.com.br

Edital completo em:
http://www.processoseletivo.senacdf.com.br/arquivos/201412487300f83f6944c8f2f2afb6d15c41761.pdf


Página: 
http://www.processoseletivo.senacdf.com.br/?direcao=02&id_cargo=408&id_processo=124


sexta-feira, 19 de setembro de 2014

Precisa contratar um buffet em Brasília?

Como conheci a chef Dani Vereza, proprietária da Festim Eventos Gastronômicos? Um dia, como outro qualquer, surgiu o pedido para organização de um brunch no escritório -  para poucas pessoas - a ser oferecido durante uma reunião. 


Acontece que o escritório não tinha nenhuma estrutura (material de buffet, toalhas, garçom e etc) para organizar o evento. Então, uma amiga (por isso a importância do Networking) me indicou a Dani. 

Isso já faz alguns anos e sempre que "o bicho pega" a Dani me socorre. Seja na organização de um coffee ou de um grande evento. Por isso, sempre que me solicitam uma indicação de buffet em Brasília recomendo seus serviços, sem ressalvas, considerando seu bom gosto, sua praticidade, seu zelo e seu capricho. 

Para a realização do nosso trabalho é muito importante contar pessoas competentes e comprometidas, por isso, essa é uma das parcerias que tem dado certo há mais de 7 anos! 


As fotos expostas são do acervo pessoal da Dani, que tomei a liberdade de compartilhar com vocês! 



FESTIM Eventos Gastronômicos
Contatos: (61) 8188-5793
www.festimeventosgastronômicos.com.br
e-mail: festim@ig.com.br
Facebook:/Dani Vereza
Cozinha de Autor: SCLN 115- Bloco D - Loja 71


Simara Rodrigues 











quinta-feira, 18 de setembro de 2014

14ª Semana Acadêmica de Secretariado vai sortear um semestre de aulas de Yoga

Você sabia que os efeitos da meditação no bem-estar e na saúde são estudados desde os anos 70, e que de lá para cá vários estudos revelaram que praticá-la regularmente, sem a necessidade de vínculo com qualquer religião, ajuda a aliviar o estresse e a ansiedade?


Participe da 14.ª semana Semana Acadêmica de Secretariado Executivo da UPIS e concorra a um semestre de aulas de Yoga no Espaço Sumaya Prado, afinal, trabalhar em equilíbrio é muito melhor, não é mesmo? 


Um abraço,


Simara Rodrigues









Leia o artigo sobre o assunto: 



quarta-feira, 17 de setembro de 2014

Lançamento do livro "O Marketing aplicado aos relacionamentos"

Caros leitores, 

É com muita alegria que compartilho o lançamento do livro "O Marketing aplicado aos relacionamentos" no qual sou coautora e apresento o tema: "Uma abordagem do profissional de Secretariado Executivo na área de Relações Governamentais". 

O livro traz estratégias de marketing aliado a diversas ferramentas para que você alcance o seu pleno potencial e seja bem-sucedido em qualquer área. Especialistas ensinam como aplicar a seu favor o marketing pessoal, o endomarketing, o networking, o coaching e muito mais! 

Todo o conteúdo é bem explicado e, o melhor, já foi colocado em prática no mercado e em relacionamentos que podem ser a chave para que você alcance os seus objetivos. 

Leia e saiba como relacionar-se melhor. Veja como as mudanças são benéficas ao seu crescimento como ser humano, aos negócios e ao trabalho.

Confirme sua presença pelo e-mail:
saseupis@outlook.com





terça-feira, 16 de setembro de 2014

Sorteio de bolsa de estudos na Semana Acadêmica de Secretariado UPIS

Durante a 14.ª Semana Acadêmica de Secretariado Executivo da UPIS teremos vários sorteios e um desses prêmios será uma bolsa integral de um semestre no ¡Bravo! Instituto Cultural Hispano-Americano.


O inovador Instituto BRAVO oferece aulas de espanhol dinâmicas e de excelência, com foco em experimentações lúdicas e vivências emocionais.

Disponibilizando diferentes cursos para atender diferentes objetivos e trabalhando, também, com aulas particulares e cursos regulares semestrais.

Agende agora mesmo sua aula demonstrativa (gratuita e sem compromisso) para conhecer, na prática, as vantagens de estudar no Instituto

Conheçam o Instituto!

Site: www.bravoespanhol.com.br
Facebook: https://www.facebook.com/BRAVOespanhol?fref=ts 
Telefone: 61 3340-7194


Para inscrições envie seu nome completo e data de interesse para o e-mail: saseupis@outlook.com

As inscrições são gratuitas!




palestra gratuita: Supere os limites para o aprendizado de outros idiomas

Karla Karina de Souza Lopes, é formada em Secretariado Executivo pela UPIS, trabalha na Assessoria Internacional da ANTAQ, faz pós-graduação em Secretariado Executivo: Assessoria Empresarial e Educacional, fala espanhol, inglês, russo e intermediário do francês. 

Ela participará da 14.ª semana Acadêmica de Secretariado da UPIS com a palestra: Supere os limites para o aprendizado de outros idiomas

Venha surpreender-se com a Profissão de secretariado Executivo!

Para inscrições envie seu nome completo e data de interesse para o e-mail: saseupis@outlook.com

As inscrições são gratuitas!

Saiba mais em: 





Posso falar mal da antiga empresa nas entrevistas?

Sou fã dessa coluna do Valor Econômico! 



Trabalhei por um ano em uma empresa que tinha um péssimo clima organizacional. Com metas agressivas e um ambiente "tóxico", era comum ouvir gestores gritando com subordinados e colegas de trabalho puxando o tapete uns dos outros. Após decidir deixar o emprego, acabei discutindo com um diretor e fui demitido. Isso aconteceu há sete meses e, desde então, tenho encontrado dificuldade para me recolocar. Nunca sei o que dizer nas entrevistas sobre a empresa anterior e a forma como saí de lá, uma vez que toda a experiência foi lamentável. Já tentei responder apenas que não me encaixei na cultura da organização, mas parece que isso não convence os recrutadores. Eles sempre pedem detalhes e acabo falando mal da empresa e dos chefes. O que devo fazer para que isso não se torne um obstáculo na minha carreira?
Analista, 27 anos

Resposta:

Em entrevistas, todo mundo sempre tem que explicar por que saiu, está querendo sair ou foi demitido. Nunca fuja da resposta, não divague e apoie-se na verdade. Procure respostas curtas, diretas e honestas. Fale de forma coletiva, evite personalizar e mostrar ressentimento, emoção ou críticas de maneira excessiva. Fale bem das outras pessoas e seja positivo. Diga apenas que seu antigo chefe era difícil e inverta o assunto, falando sobre suas realizações, interesses e habilidades - sempre munido de números e detalhes.

Ao longo de sua carreira você vai precisar buscar novos desafios e oportunidades. Antes de tudo, é importante, com o apoio de um especialista, montar um projeto profissional e estruturar sua exposição no mercado, mapeando oportunidades. Estabeleça um objetivo claro e faça um balanço das competências, realizações, motivações e da sua capacidade de resolver problemas. Também é fundamental superar as dificuldades comportamentais, medos e sentimentos de fracasso.

Seja por indicação, networking, redes sociais ou headhunters, o processo sempre vai passar por entrevistas. É essencial, portanto, estar preparado para elas. É na entrevista que duas pessoas vão descobrir qual o tamanho do interesse em trabalhar juntas.

O primeiro objetivo do entrevistador é contratá-lo. Ele gostaria muito que você fosse a pessoa certa. Já sua tarefa é mostrar que você é a solução para o problema dele. O entrevistador vai avaliar suas habilidades, experiências e realizações, além de julgar sua personalidade e seu comportamento. Busca também medir sua capacidade de adaptação à empresa e aos futuros pares, superiores e subordinados. Em resumo, a sua compatibilidade com a "cultura, estilo gerencial e ambiente da empresa". Respostas vagas podem lhe fazer perder uma boa oportunidade.

A preparação para a entrevista precisa começar muito antes de você se sentar na frente do entrevistador. Consiga o máximo de informações sobre a empresa e seus principais executivos, incluindo o entrevistador. Tente descobrir que tipo de pessoa ele é. Mesmo que você julgue familiar a natureza do cargo, busque mais detalhes e, se possível, uma descrição.

Conheça a posição da empresa em relação ao mercado e à concorrência. Ela está crescendo ou declinando? Quais as forças aparentes? E, o mais importante, quais são os problemas. Quanto mais você souber do empregador e da concorrência, mais poderá mostrar na entrevista o quanto valioso será para eles. Busque também organizar os dados sobre você mesmo de forma a ajudá-lo a comunicar o máximo de valor que pode oferecer ao empregador. O mais importante são suas realizações profissionais, mas também enumere algumas realizações pessoais e acadêmicas.

É preciso usar cada abertura e cada chance para colocar as informações essenciais sobre você, suas habilidades e suas experiências de forma tranquila e suave. A melhor forma para fazer isso é aproveitar a força de perguntas abertas para deslocar o fluxo da conversação do entrevistador para você. Evite perguntas sobre salário, férias e benefícios. Seja um bom ouvinte e crie empatia. Pense antes de falar, evite lugares-comuns ou obviedades. Procure ser honesto, mas não se deprecie.

Quando a entrevista estiver para terminar, seu interlocutor vai abrir um espaço para dúvidas. É importante saber concluir. Seus comentários finais deverão confirmar seu interesse pelo cargo e estabelecer um acordo sobre os prazos de retomada de contato. Finalize expressando seus agradecimentos. Se a empresa demorar muito para voltar com uma resposta, você sempre pode tomar a iniciativa de ligar. O tempo de espera é sempre relativo.

Gilberto Guimarães é diretor da GG Consulting e professor

Esta coluna se propõe a responder questões relativas à carreira e a situações vividas no mundo corporativo. Ela reflete a opinião dos consultores e não a do Valor Econômico. O jornal não se responsabiliza nem pode ser responsabilizado pelas informações acima ou por prejuízos de qualquer natureza em decorrência do uso dessas informações. As perguntas devem ser enviadas para:

E-mail: diva.executivo@valor.com.br

Fonte: http://www.valor.com.br/carreira/3689206/posso-falar-mal-da-antiga-empresa-nas-entrevistas

segunda-feira, 15 de setembro de 2014

Processo seletivo para a área de Secretariado Executivo

Recentemente o Sesccop publicou edital de processo seletivo, no qual, entre as diversas áreas de atuação, disponibiliza 01 (uma) vaga para Bacharel em Secretariado Executivo. Ocorre que equivocadamente o edital trazia como exigência a formação Bacharel em Secretariado e/ou Letras.

Veja o ofício recebido pelo SISDF em resposta a manifestação acerca do assunto.

Parabéns ao SIDF pela ação e pelo comprometimento sempre presente!


Cargo:Analista Função:Secretária
Área:Diretoria Executiva - Carga Horária:40h/ semanais
Salário:R$6.487,09 (seis mil e quatrocentos e oitenta e sete reais e nove centavos) mensais

Benefícios:auxílio-transporte, auxílio-alimentação no valor de R$ 28,94 (vinte e oito reais e noventa e quatro centavos) por dia útil trabalhado, assistência médica, assistência odontológica e seguro de vida em grupo, UTI móvel; auxilio-creche no valor de R$ 347,78 (trezentos e quarenta e sete reais e setenta e oito centavos ) para filho menores de 36 meses.

sexta-feira, 12 de setembro de 2014

Palestra: O Secretariado e as mudanças no perfil profissional

Tadeu Di Pietro é ator, diretor e produtor cultural e será um dos palestrantes na 14.ª Semana Acadêmica de Secretariado - UPIS. Ele falará sobre “O Secretariado e as mudanças no perfil profissional”.


Garanta já sua vaga!
Inscrições gratuitas: saseupis@outlook.com

Curta a fan page do evento:

Hábitos culturais e protocolares de outros países




Cultura é o conjunto de tradições, regras, ritos, práticas e costumes que conferem características próprias a um povo.

É impossível conhecer e dominar todas as culturas de todos os países, mas é
sinônimo de cortesia e de educação procurar conhecer alguns aspectos principais da cultura de um visitante estrangeiro. 

A CNI publicou em seu manual de eventos algumas dicas, com características que predominam na cultura de alguns países, que contribuirão para que você receba um visitante de forma cortês e gentil. Afinal, é o que se espera de um anfitrião.  

ALEMANHA

O aperto de mãos firme é usual quando as pessoas se encontram e quando se despedem.

A pontualidade é extremamente importante.

Nunca usar o primeiro nome antes de ser convidado a fazê-lo.

A posição hierárquica é muito importante em reuniões de negócios.

Alemães do norte são, em geral, mais quietos e reservados. Os do sul são mais sociáveis.

Respondem ao telefone dizendo seus nomes.

Reuniões de negócios, depois das refeições. Cafés da manhã para tratar de negócios estão fora de cogitação.

É falta de educação colocar as mãos no colo quando estiver comendo.

Ficar com a mão no bolso é grosseria.

Assuntos agradáveis: esportes, automóveis, futebol e profissões.

Assuntos desagradáveis: política, relacionamento (da parte Oriental) com a antiga URSS, 2.ª Guerra Mundial, esportes norte-americanos.

Perguntar, por cortesia, como vão a esposa e os filhos é considerado como ofensa grave.

ARÁBIA SAUDITA

Os cumprimentos costumam ser cerimoniosos.

O aperto de mãos (em geral muito suave) pode ser acompanhado de um toque no braço ou no ombro. Depois de várias visitas, podem até abraçar no cumprimento.

Apreciam dar presentes luxuosos.

Usualmente, são muito rígidos em relação a preceitos religiosos e de alimentação.

Quando o café é servido, significa o término da reunião.

As primeiras visitas são para as pessoas se conhecerem. Pode demorar vários dias até se entrar nos assuntos de negócios. É rude tentar apressar as coisas.

Demonstrar primeiro reconhecimento às pessoas mais velhas.

Nunca criticar ou chamar a atenção de alguém em público.

Ficar numa posição em que a sola do sapato fique de frente para o outro é demonstração de grave desrespeito.

A mão direita é para coisas públicas e a esquerda para coisas privadas.

Em eventos empresariais, não se deve dar ou receber alguma coisa com a mão esquerda. Jamais comer com a mão esquerda.

Colocar as mãos na cintura é considerado desafio ao outro.

Não gostam de cães como animais domésticos.

Assuntos agradáveis: história, cultura e o respeito à fé islâmica.

Assuntos desagradáveis: Israel, blasfêmias e o papel das mulheres.

ARGENTINA

Os títulos das pessoas são muito importantes.

O italiano é o segundo idioma do país.

Longas refeições e conversas são normais nos encontros de negócios.

Cruzar o garfo e a faca sobre o prato significa “estou satisfeito”.

Assuntos agradáveis: futebol, história, cultura, casa e crianças, tango e Carlos Gardel.

Assuntos desagradáveis: os anos Perón, religião, ilhas Malvinas/
Falklands.

AUSTRÁLIA

O aperto de mão firme é normal.

Os australianos costumam ser calorosos, amistosos e informais.

Falam diretamente e com muita freqüência. Não gostam de insinuações.

Não gostam de divisões de classes, por exemplo: quando estão sozinhos sentam-se na frente com o motorista de táxi.

Valorizam amizades pessoais bem próximas.

Têm muito senso de humor, mesmo em situações tensas.

Apreciam a pontualidade.

Mostram suas discordâncias sem rodeios.

Acham que as pessoas de outros países sabem muito pouco da
Austrália.

CINGAPURA

Apresentação com aperto de mãos é o comum.

Têm cuidados especiais com a pronúncia dos nomes.

Todos falam inglês, embora tenham ascendência chinesa.

Têm orgulho de ser práticos e diretos.

Não é costume trocar presentes no relacionamento de negócios.

O café da manhã costuma ser muito simples.

Podem fazer perguntas como: “quanto você ganha?”

É uma sociedade praticamente não-fumante.

As mulheres são tratadas com igualdade pelos homens nas situações de negócios.

Assuntos agradáveis: país limpo e economicamente saudável.

Assuntos desagradáveis: desrespeito ao tamanho do país.

ESTADOS UNIDOS

Aperto de mãos firme e contato “olho no olho” são regras nos
cumprimentos.

Evitar contato corporal (beijos e abraços) ao cumprimentar.

A pontualidade é importante.

Não gastar muito tempo com “conversa fiada”. O princípio de que “tempo é dinheiro” é muito valorizado.

O tratamento pelo primeiro nome é usual, dependendo da classe social e da região.

A refeição principal é a da noite. O almoço é muito leve.

Cafés da manhã de negócios são comuns

Poucos americanos falam outra língua que não o inglês.

Gostam de reuniões de negócios/entretenimento em casa.

Assuntos agradáveis: esportes, família, negócios.

Assuntos desagradáveis: poder/dominação americana.


FRANÇA

São formais e conservadores no protocolo de negócios.

Os primeiros nomes são usados raramente, mesmo entre colegas.

Têm grande orgulho da história, do idioma, do sistema educacional, da cultura e das artes francesas.

Apertos de mãos são freqüentes, mas em geral muito breves e não
muito fortes.

Excelente cozinha e vinhos finos.

A refeição principal, em geral, é a do meio-dia.

As decisões costumam ser tomadas depois de muita deliberação.

Conversas durante o jantar são importantes e geralmente longas.

Assuntos agradáveis: comida, esportes e cultura.

Assuntos desagradáveis: preços, dinheiro, questões pessoais e as duas
grandes guerras.


GRÃ-BRETANHA

Inglês falado de maneira bem mais formal que em outros países.

Conservadores no vestir, em situações sociais e nas práticas de
negócios.

Títulos e honrarias são importantes.

Geralmente, apreciam animais domésticos.

A regra é marcar visita com grande antecedência.

Respeitam a privacidade pessoal – evitam questões pessoais.

Nas refeições, é demonstração de polidez recusar uma segunda porção.

Aperto de mãos firme é usual quando as pessoas se encontram e
quando se despedem.

A pontualidade é extremamente importante.

Nunca usar o primeiro nome antes de ser convidado a fazê-lo.

A posição hierárquica é muito importante nas reuniões de negócios.

Assuntos agradáveis: história, arquitetura e jardinagem, direitos
humanos.

Assuntos desagradáveis: religião, Irlanda do Norte, dinheiro e preços.

ISRAEL

Cumprimentam-se apertando as mãos.

O dia sagrado para os judeus ortodoxos é o sábado, que começa com o pôr-do-sol de sexta-feira.

A pontualidade é apreciada.

Flores e livros são presentes bem vistos.

Assuntos agradáveis: cultura, história e religião.

Assuntos desagradáveis: a ajuda dos Estados Unidos, os territórios
ocupados e a situação econômica.

JAPÃO

Curvar-se é a forma tradicional de cumprimento. Quanto mais baixo, melhor.

A troca de cartões é feita antes de curvar-se.

O aperto de mãos é comum, mas sempre de forma suave.

É considerado grosseiro manter longo ou freqüente contato “olho no olho”.

Paciência, humildade e polidez são consideradas grandes virtudes.

Comunicação indireta é mais aceitável do que a direta. Frases são muitas vezes incompletas para que o interlocutor as conclua por conta própria.

Manter a harmonia é mais importante do que lucros maiores ou mais vendas.

Evite levar seu cônjuge a um jantar de negócios, mesmo que o anfitrião japonês convide. O convite é mera formalidade.

Em muitas empresas japonesas, é comum que novos contratados sejam enviados para um instituto da própria empresa para receber orientação espiritual e passar a ter orgulho da empresa.

Assuntos agradáveis: história, cultura e artes.

Assuntos desagradáveis: 2ª Guerra Mundial.


MÉXICO

A pontualidade não é rígida.

A refeição principal do dia é feita entre 13 horas e 16 horas.

Evite usar o primeiro nome antes de ser convidado a fazê-lo.

Mãos na cintura sugerem agressividade.

Mãos no bolso são vistas como falta de educação.

A morte é celebrada. No dia de finados há brinquedos, roupas, canções,
danças e comidas especialmente alusivas à data.

Assuntos agradáveis: cultura mexicana, história, artes e museus.

Assuntos desagradáveis: imigrantes ilegais, terremotos e pobreza.

REPÚBLICA POPULAR DA CHINA

O cumprimento usual é um aceno de cabeça ou curvar-se lentamente.

Os chineses podem fazer perguntas muito pessoais, como quanto você ganha ou qual o valor da sua casa.

A senioridade e a posição hierárquica são muito importantes.

Cartões de visita devem ter um lado em chinês, e este lado deve ser o apresentado. Não espere receber um cartão do seu interlocutor em troca.

Tocar o outro, como tapas nas costas e abraços, não são bem-vistos.

Presentes são bem-vistos, mas devem ser modestos e oferecidos ao grupo e não a pessoas individualmente.

Esperam que pessoas de negócios sejam grandes especialistas nos assuntos que vão tratar.

Qualquer convite deve ter uma recíproca. Se um jantar é oferecido, espera-se convite para outro jantar. Quando um brinde é feito, espera-se uma recíproca.

A pontualidade é apreciada.

A saída de um jantar deve ser feita logo após o término da refeição. Os jantares festivos, usualmente, terminam entre 20h30 e 21h.

Qualidades muito apreciadas: dignidade, reserva, paciência, persistência, sensibilidade e respeito aos costumes e ao temperamento chinês.

Assuntos agradáveis: história, família, cultura e o progresso da China.

Assuntos desagradáveis: revolução cultural, sexo, riqueza, Taiwan e
política.

RÚSSIA

Quando se cumprimentam, os russos apertam as mãos e dizem seus nomes.

Entre amigos, o abraço de urso e o beijo nas faces (mesmo entre
homens) são comuns.

Provérbios russos: “Se você for viajar um dia, leve pão para uma semana”. “Paciência e trabalho, e tudo dará certo”.

Presentes apreciados: jeans, canetas de qualidade, álbuns de músicas e livros.

Bom assunto para conversar: a paz.

O tratamento informal é acrescentar ao nome de família (sobrenome) as terminações vitch para o homem e ova para a mulher. Os russos fazem isso também com os sobrenomes de outras nacionalidades. É ofensivo não aceitar esse tratamento.

Em público, os russos costumam se mostrar frios e desinteressados.

Fonte:
http://www.carlostakahashi.com.br/arquivos/site/ManualCNI.pdf