sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

Leitura - O melhor remédio para a ignorância



Penso que escrever bem é um dom. Lembro-me, com muito carinho, de ter trabalhado com uma advogada que qualquer texto era impecavelmente redigido. Era prazeroso ler o que ela escrevia. Na época, entre minhas atribuições como Secretária, estava a verificação dos padrões de qualidade dos documentos que tramitavam na área. Seus documentos, em especial, eram aqueles que além de bem redigidos eram objetivos, concisos, claros e de fácil entendimento, até mesmo para quem não era especialista no assunto. Enfim, ela era uma pessoa fora de série. 

Mas também acredito que escrever bem seja uma habilidade que pode ser adquirida ao longo da vida. 


Chega a ser lamentável receber alguns e-mails ou correspondências que é necessário ler uma, duas, três vezes para tentar entender o que o remetente pretendia dizer. 

Por isso, se você não for um desses “fora de série” uma alternativa é criar o hábito da leitura. 

Infelizmente, nem sempre as pessoas são incentivadas pelos pais, parentes e educadores a adquirir este hábito e assim surgem os adultos considerados analfabetos funcionais, indivíduos que não conseguem ou têm dificuldades para interpretar textos, articular ideias e escrever de forma mais elaborada. 

Criar o hábito da leitura para muitos indivíduos pode ser uma barreira. Mas segundo os especialistas, é algo que se desenvolve de maneira simples e surge da prática diária e de maneira repetida.

Sendo assim, algumas práticas podem contribuir:

Começa devagar – Comece por leituras simples. Escolha uma literatura que te agrade, que seja prazerosa. Nada de começar por livros complexos e extensos. Se você começar, por exemplo, por um livro de 488 páginas é possível que você demore 1 ano, com sorte, para concluir sua leitura. 

Leia revistas – Revistas são sempre um ponto de partida, considerando seu informativo. Sem deixar de mencionar que a partir desta leitura podem surgir indicações de novas leituras. Evite focar em revista de fofocas, embora elas sejam muito bem-vindas naquele horário do salão de beleza. Ou seja, elas tem o seu lugar. Opte por revistas que tragam informações sobre o cotidiano, mercado de trabalho, aspectos humanos e etc. 

Pratique – Procure reservar pelo menos 30 minutos do seu dia para esse hábito. A conta é muito simples: Em 30 minutos você é capaz de ler 15 páginas, pelo menos, isso ao longo de um mês significa 450 páginas. Simples não? 

Organize-se – Muitas pessoas reclamam que não leem porque não têm tempo, quando na verdade todos nós temos o mesmo tempo disponível. O que nos difere dos outros indivíduos é exatamente a maneira como planejamos nosso tempo. Ler no ônibus, no avião, na praia, na piscina, na fila de banco ou no horário da novela são algumas alternativas. 

Use o dicionário – sabe aquela palavra que você desconhece quando está lendo um livro? Marque-a e procure o significado. Pior do que não saber é não procurar descobrir. 


Peça sugestões - Se estiver em dúvida sobre o que lê, peça indicações aos amigos, docentes e gestores.


Hábito infinito - Toda leitura nos leva a uma nova leitura. Então, tome nota das indicações dos autores e das referências bibliográficas.   


A leitura é uma fonte inesgotável de prazer mas por incrível que pareça, a quase totalidade, não sente esta sede. Carlos Drummond de Andrade

Nenhum comentário:

Postar um comentário