segunda-feira, 1 de julho de 2013

Chamar o chefe de você ou de senhor?



Quando iniciei minha carreira, na década de 90, embora com pouca maturidade e nenhuma experiência, a 1a lição que recebi no ambiente de trabalho e que nunca mais esqueci foi: "Trate a todos com senhoria".  

Na minha opinião, quando adotamos essa postura temos a oportunidade de transmitir uma imagem de profissional maduro, sério e que respeita as hierarquias. 

Nada pior do que um secretário que não respeita as famosas cercas. Aquelas que fazem os limites entre o pessoal e o profissional. 

É claro que, em pleno século 21, vamos nos deparar com gestores jovens, as vezes até mais jovens do que nós, e que certamente dispensarão senhorias. Entretanto, é como mencionado no texto abaixo, até que isso ocorra faça uso dos pronomes de tratamento adequados. 


É melhor chamar o chefe de você ou de senhor?


Ao usar corretamente os pronomes de tratamento, você ganha pontos com seu interlocutor e, de quebra, dá um verniz de cultura à imagem.

Senhor, senhorita, senhora e doutor não são sinônimos de velhice, de caretice ou de formalidade em excesso. São pronomes de tratamento que devem ser usados em situações em que inexistem a intimidade e a proximidade. Pior mesmo é quando, no alto de meus 50 e tantos anos, sou tratada por senhorita.

Dia desses expliquei a um rapaz o que significava o tratamento senhorita e a quem ele se aplicava. Senhorita é uma referência formal utilizada para tratar uma mulher solteira. O rapaz rapidamente corrigiu seu engano, me chamando de senhora, que é o tratamento cortês dispensado a uma mulher casada, que é meu caso.

Isso tudo pode parecer bobagem, mas não é. Ao usar corretamente os pronomes de tratamento, você ganha pontos com seu interlocutor e, de quebra, dá um verniz de cultura à sua imagem. Reserve doutor ou doutora para os profissionais que, efetivamente, o são.

O título deve ser usado para se referir àqueles que conquistaram o mérito acadêmico. Ter um cargo de diretoria ou presidência ou um carro importado bonito não é suficiente para qualificar um profissional de doutor.
Muito estudo, muito esforço, muita dedicação à pesquisa e a chancela dos pares acadêmicos é que alçam alguém ao posto de doutor. Concorda?

"Meu bem", "querida", "meu amor" e similares devem ser usados especificamente com as pessoas que lhe são queridas e amadas. Cresci tratando meus pais por senhor e senhora e interpreto isso ainda hoje como sinônimo de respeito a pai e mãe.

Não sei o que houve que, de uns tempos para cá, o uso desses pronomes acabou por se tornar quase sinônimo de palavra feia, inclusive com pai e mãe.

Minha sugestão aos mais jovens — tratem seus clientes e seus superiores por senhor e por senhora. Isso não os torna mais velhos, mas faz com que você passe a imagem de um profissional que respeita a hierarquia e a formalidade que esse tipo de relação pede  em seu início. Quando o chefe ou o cliente autorizarem que o tratem de maneira mais informal, aí, sim, use o pronome você.

Fico impressionada com a falta de noção que grassa no país ultimamente. Corrija-se e deixe de ser parte do sem-número de inadequados que andam pelos corredores das empresas todos os dias. Em pouco tempo, você vai notar que as pessoas adoram ser tratadas pelo pronome adequado. 


Célia Leão escreve sobre etiqueta corporativa. É autora de Boas Maneiras de A a Z e consultora de etiqueta empresarial.

Nenhum comentário:

Postar um comentário