quinta-feira, 25 de abril de 2013

II Encontro UP de Secretários do DF

Mais um evento organizado pelos Alunos e Departamento de Secretariado Executivo da União Pioneira de Integração Social - UPIS, que certamente será um sucesso! 

Participe, porque o sucesso pede autoconhecimento! 

Inscrições gratuitas pelo e-mail: 2encontroup@gmail.com
Informe seu nome completo, Instituição na qual trabalha ou estuda, telefone e e-mail para contato.




Negócios são negócios



Manter um bom relacionamento com o chefe e demais colegas de trabalho é fundamental para garantir um bom dia de trabalho. Sou da corrente que defende que entre habilidade técnica e habilidade pessoal, esta última está em 1o lugar. 

Ocorre, que muitas vezes, cometemos um erro que pode prejudicar a nossa carreira: Confundir ambiente de trabalho com ambiente pessoal. Costumo dizer que quando isso acontece ultrapassamos as "cercas imaginárias" que nos possibilitam manter o devido respeito e conservar o espaço de cada indivíduo. 

Preservar "essa cerca", embora em um primeiro momento não pareça importante, nos permitirá focar exatamente no que fomos contratados para fazer: Produzir e trazer resultados positivos para a empresa. Isso, sem sombra de dúvidas, será recompensado, muito mais do que ser "a queridinha do chefe".

Abaixo, um artigo interessante sobre o tema 


A linha que separa o profissionalismo da amizade entre chefe e subordinada é sempre muito tênue. E pode acabar prejudicando sua carreira

By Danuza Leão


Um trabalho novo, ah, como é bom. Você, cheia de planos para que tudo dê certo, encontra colegas simpáticas e que, com a convivência, tornam-se amigas — ou praticamente. Muito bom ter novas amigas, mas diz a sabedoria que o ideal é, no sagrado recinto do trabalho, nunca ultrapassar a linha que separa uma boa amizade da intimidade total. E quais os cuidados a serem tomados? Simples. 

A primeira regra, única e fundamental: contenha-se e não entre, jamais, no capítulo fazer confidências sobre sua vida, sobretudo do lado sentimental. O limite, quando perguntarem — e perguntam sempre — é: se tem um caso, um namorado ou um marido, deixe claro que esse lado é tão bem resolvido que não há nada a ser contado. 

Nada pior do que duas amiguinhas no corredor ou no banheiro falando sobre o que fizeram na noite anterior. E, se pintar uma paquera, não pense que vai passar despercebido o troca-troca de e-mails. Em um escritório que se preza, as fofocas rolam, e lá se vai a sua reputação de boa profissional. Aliás, em alguns escritórios, mais se fofoca do que se trabalha. 

Se você tem uma chefe simpática, que às vezes a convida para almoçar, cuidado, pois se ficarem muito amigas o perigo é que você — é, você — um dia passe dos limites. Se uma noite chutou o pau da barraca e chegou tarde no trabalho, com aquela cara, eis o problema: ou ela releva ou lhe dá uma dura, e você vai ficar péssima. 

E, se ela relevar, todo mundo vai perceber. A situação vai ficar péssima para ela e para você — e não tem nada pior do que ser tachada de a queridinha da chefe. É melhor que a relação nunca seja próxima demais. Uma pequena dica: jamais faça o modelito periguete. Se for mais alta que ela, esqueça o salto alto. Manda a prudência que ouça muito, fale pouco, não faça perguntas pessoais e resista a dar opiniões que não sejam de trabalho. 

Mas digamos que seu chefe seja um homem. Aí, o assunto é mais delicado, bem mais. Desde que o mundo é mundo sabe-se que mulher e homem, juntos, é sempre perigo à vista. Tudo sempre começa como uma simples amizade, mas depois de dois dry martinis — e quem resiste a tomar um drinque depois do expediente com o chefe, sobretudo se ele for charmoso? — pode pintar um clima. Mesmo que nenhum dos dois tenha tido nenhuma intenção (em princípio), tudo pode acontecer, e o resultado pode ser fatal, para o bem ou para o mal. 

Se acontecer uma atração irresistível, já se sabe onde a história vai parar: num motel, claro. E no dia seguinte? Você espera ansiosamente por um sinal que demonstre que ele está querendo ver você de novo. Se acontecer, maravilha, mas diz a experiência que esse sinal pode perfeitamente não chegar, e aí vira um drama. Então tente, pelo menos tente, evitar o convite para o drinque. 

Segundo os ingleses, “never mix business and pleasure”, o que significa “nunca misture negócios com prazer”, e eles têm razão. 

E se acontecer o melhor — dar tudo certo e vocês se apaixonarem —, escolha entre o trabalho e o amor, pois está mais do que provado que as duas coisas juntas não costumam dar certo.



quarta-feira, 17 de abril de 2013

A Primeira impressão é sim a que fica



Nossa imagem, que vai muito além da aparência está diretamente ligada a nossa postura, a maneira como nos posicionamos diante da vida e das pessoas. Boa impressão significa, por exemplo, sorrir, agradecer, ser positivo. Tem haver como o nosso humor frente as dificuldades do dia a dia. 

Significa se "desarmar", o contrário de vivenciar o famoso clichê: "oh céus, oh vida, oh azar".

Penso que quando assumimos uma postura mais leve, serena, doce e madura a vida se encarrega do resto, e com certeza, a 1a impressão será muito melhor! 

A verdade é que como os produtos passam por inovações e evoluções nós também precisamos passar pelo mesmo processo. 

Abaixo, compartilho um texto muito pertinente ao assunto

Trinta segundos. Este é o tempo suficiente para alguém criar uma opinião (ou o que muitos classificam como primeira impressão) sobre você – segundo estimativas de especialistas.

Se eles estiverem certos, os primeiros trinta segundos em uma entrevista de emprego, em uma reunião com pessoas que você não conhece ou quando você faz networking podem contar para seu sucesso em cada uma destas ocasiões.

Segundo Minoru Ueda, especialista em inteligência emocional, as pessoas têm a capacidade de, a partir de alguns poucos sinais, criar uma espécie de “trailer sobre quem você é”.

É claro que, com o aprofundamento da relação, esta versão pode ser refutada no futuro, mas é importante estar atento ao que você transmite logo de cara. Afinal, “nunca teremos uma segunda chance para causar uma ‘boa primeira impressão’”, brinca Reinaldo Passadori, do Instituto Passadori

Atenção aos mínimos detalhes

Nos 30 primeiros segundos, o máximo que se pode captar de uma pessoa é a mensagem que ela passa além das palavras: a maneira como ela olha, modula o tom de voz, gesticula ou se posiciona – tudo, de alguma forma, “fala”. “A comunicação não verbal age como uma legenda constante em nossa frente”, afirma Ueda.

A começar pelo aperto de mão. Quem já teve os ossos quase quebrados ao cumprimentar alguém ou ficou confuso quando alguém deu um aperto muito leve sabe o que estamos falando. Uma dica é permanecer “com a palma na posição vertical e aplique a mesma pressão que receber da outra pessoa”, segundo dica do livro “A linguagem corporal no trabalho” (Editora Sextante).

Dica: Para tomar consciência do que você diz sem usar palavras, crie o hábito de se ouvir. Ueda sugere, por exemplo, que você grave a própria voz. “Quando você se conhece, você controla a si mesmo”, diz o especialista. Por isso, mergulhe para dentro de si e aprenda a captar os sinais que emite para melhor geri-los.

Os termos “por favor”, “obrigado” e “com licença” deveriam estar no vocabulário de toda pessoa, fato. No entanto, é verdade, que muita gente se esquece disso no dia-a-dia, mas, além de básica, a boa educação é essencial para a sua imagem profissional.

Dica: “É preciso respeitar o espaço do outro”, diz Passadori.

Cartões de visita

“Uma simples troca de cartão de visitas pode pegar mal”, afirma Passadori. “Tirá-lo bolso de traz da calça, procurá-lo na bolsa bagunçada, entregá-lo todo amassado”. Tudo isso pode conspirar contra a percepção que terão sobre você.

Dica: Inspire-se em como algumas culturas de negócios do oriente reverenciam este momento. “No Japão, o jovem deve entregar o cartão antes do mais velho”, ensina Ueda. Na China, a dica é fazer isso com as duas mãos com seu nome já voltado para o receptor. E, atenção: leia antes de guardá-lo.

Simpatia como palavra de ordem

“Mostre bom humor e interesse pela outra pessoa”, aconselha Passadori. Por isso, sorrir é fundamental. Deixar o outro falar, também.

Conheça a cultura

Saber o terreno em que você pisa também é essencial para evitar gafes ou mal entendidos. Se for viajar para outro país, estude a cultura de negócios de lá. Se o desafio é fazer parceria com uma empresa ou uma entrevista de emprego, saiba tudo sobre o contexto da companhia. E por aí vai.

Fonte do artigo: http://exame.abril.com.br/carreira/noticias/5-dicas-para-construir-sua-reputacao-em-30-segundos?page=2

segunda-feira, 15 de abril de 2013

Vaga para Estágio na área de Secretariado Executivo - DF


Compartilho vaga disponível no Instituto Federal Brasília – Campus São Sebastião para a área de Secretariado.



Seleciona-se Estagiário de Secretariado Executivo

IFB- Campus São Sebastião



Estamos contratando 2 (dois) estagiários de nível superior para atuar na área de secretaria executiva.

O estagiário precisará: desenvolver tarefas na área administrativa; redigir documentos diversos, tais como atas, memorandos, declarações etc; organizar arquivos; realizar entregas e recebimentos de documentos e materiais; manter organizados documentos e/ou  materiais em geral; operar equipamentos diversos; tratar com o público.

Requisitos necessários:
   Cursando o curso de secretariado executivo. Preferencialmente entre o 3º e o 4º semestres;
   Informática a nível de usuário, precisando saber operar: internet, word, excel, power point;
   Predisposição para aprendizagem;
  Senso de organização;
  Responsável;
  Comunicativo.
   Prefere-se estudante com experiência.

Horário de trabalho: 6 horas
valor da Bolsa: 520,00 + 132,00 VT

Entre os períodos vespertino e noturno

Enviar e-mail para carolina.mendes@ifb.edu.br entre 15/04 e 21/04