quinta-feira, 5 de maio de 2011

A regra dos 5%

Como ninguém é ferro, bateu uma breve e rápida desmotivação...mas como um presente de Deus, lembrei de um artigo do Max Gehringer, o qual compartilho abaixo, e que fez toda a diferença....


Espero conseguir atingir os 5%....

Eu hoje me lembrei de uma dessas estatísticas baseadas mais no bom senso do que na técnica: a regrinha dos 5%.

Segundo essa regra, de tudo o que nós escutamos, vemos, falamos, lemos ou escrevemos todos os dias, só 5% realmente interessam. O resto é descartável. Da mesma forma, de cada 100 estagiários contratados por empresas, só 5 chegarão a cargos de chefia. De cada 100 pequenos negócios que são abertos, só 5 se transformarão no sucesso que o dono sonhava. De cada 100 bons alunos, só 5 repetirão na vida profissional o excelente desempenho que tiveram na escola.

A mesma regra vale para o trabalho. Se nós passamos 40 horas por semana em uma empresa, só durante 5% desse tempo, ou 2 horas, estaremos fazendo alguma coisa, pela qual poderemos ser lembrados daqui a algum tempo. As outras 38 horas serão gastas em trabalho de rotina, em reuniões, em conversas ao telefone ou em bate-papos sem importância.

Um teste que eu fazia comigo mesmo era me perguntar como eu tinha gasto as minhas 2 horas de criatividade na semana anterior. E no mais das vezes, eu descobria que tinha sido simplesmente engolido pela rotina.

Essa lição, dos 5%, eu devo ao meu saudoso professor Vantuil. Certa vez, durante uma daquelas algazarras incontroláveis em classe, o professor Vantuil, calmamente, disse que os 95% de alunos que quisessem persistir na bagunça, poderiam continuar a vontade, porque ele estava interessado em dar aula apenas para os 5%, que iriam ser alguma coisa na vida. E a classe, imediatamente, ficou em silêncio. Porque todo mundo, sempre se considera parte dos 5% que vão dar certo.

Não sei se a lição do professor Vantuil funcionou no meu caso, mas certamente funcionou no caso do professor Vantuil. Porque eu devo ter tido uns 100 professores na vida, e ele é um dos 5 que eu ainda me lembro.

Max Gehringer, para CBN.

Um comentário: