quarta-feira, 28 de abril de 2010

Profissional de Secretariado sem Google???

Dá para imaginar a vida sem o Google? definitivamente não!
O nome Google é um trocadilho com o termo Googol, nome usado pelo matemático Milton Sirotta para representar o número 1 seguido de 100 zeros (ou 10 elevado a 100). Segundo o Google, esse nome foi escolhido pra refletir a missão da empresa: a de organizar a enorme quantidade de informações disponíveis na Internet.

Nesta Semana o jornal O Globo publicou materia sobre a ferramenta. A qual compartilho abaixo:


Conheça alguns ótimos recursos oferecidos pelo velho e bom Google


Googlar se tornou algo tão comum que já virou verbo. Mas grande parte dos internautas usa apenas o básico desse poderoso mecanismo de busca. O que muita gente (ainda) não sabe é que é possível aumentar bastante a produtividade de nossas pesquisas na web se aproveitarmos algumas das ferramentas gratuitas que o Google oferece.


Uma das principais reclamações é que o Google retorna resultados demais, deixando a pessoa totalmente afogada em informações (capturadas, aliás, por uma tal "aranha de web percorrimento", representada à exaustão nas próximas páginas).

O pulo do gato é saber como restringir esses resultados, concentrando-os no que realmente nos interessa. Por essas e por outras, vão aqui alguns bizus que, para os veteranos, já são corriqueiros - mas merecem ser conferidos por quem está começando na vida interneteira.

Operadores lógicos

O Google permite realizar pesquisas utilizando operadores lógicos, algo que programadores de computador chamariam de "busca booleana". Ao solicitar uma pesquisa em que vários termos de busca estão separados pelos operadores AND, OR e NOT (em maiúsculas mesmo), é possível especificar que o Google considere todos os termos juntos (AND), qualquer um dos termos (OR), ou que não considere um termo em especial (NOT). Na verdade, se simplesmente digitamos vários termos de busca no Google, ele silenciosamente enfia entre eles um operador AND, ou seja, todas as palavras devem ser consideradas no processo. Se quiser brincar um pouco com operações booleanas em inglês, visite o site boolify.org .

Excluindo termos de busca

Para que um termo não seja considerado na busca, basta precedê-lo de um sinal (-), de subtração. Este recurso vale igualmente para uma frase informada usando aspas. Exemplo: se, em uma busca, o internauta incluir ao final os parâmetros -"frio e calculista", então o Google não retornará resultados de busca que contenham esse clichê absolutamente detestável.

Busca musculosa: pesquisa avançada

Quem tem ojeriza a operadores lógicos, parênteses aninhados e coisas desse tipo tem uma salvação. Na página principal do Google, basta clicar em "Pesquisa avançada". Esse poderoso recurso leva você a um formulário completo onde é possível pesquisar por itens que contenham todos os termos de pesquisa inseridos (AND); que contenham a frase exata inserida (frases entre aspas); que contenham pelo menos um dos termos digitados; que não contenham nenhum dos termos inseridos; que estejam em um determinado idioma; que tenham sido criados em um formato de arquivo específico; que tenham sido atualizados em um certo período; que estejam em um site ou domínio específico; ou que não contenham material adulto. Aí fica fácil.

É possível também selecionar resultados referentes a uma região; em função do local onde aparecem na página; apenas em um domínio ou site na rede; de acordo com os direitos de uso das informações; e de acordo com critérios de filtragem.

Dicionário na ponta dos dedos

Se o internauta digitar no campo de buscas do Google a palavra definir seguida de um vocábulo qualquer, o sistema dará como resultado a definição dessa palavra, em geral, com base na versão em português da enciclopédia online Wikipédia ( pt.wikipedia.org ). Assim, por exemplo, digitando definir clépsidra devolverá como resposta o significado dessa palavra medonha.

É uma barra... mas vale a pena

A barra de ferramentas oferecida pela Google é uma boa ajuda nas buscas, gratuita e fácil de instalar. Acesse bit.ly/am681y e mande brasa, mas esteja consciente de que a turma da Google, caso você consinta, poderá capturar informações estatísticas de suas buscas. Ou seja, o sistema fuxicará e armazenará seus hábitos na web. Por sinal, essa é uma das questões mais controversas sobre o mundo Google. Você não está pagando nada para usar "milhares" de ferramentas criadas pela empresa - mas, ainda que você não saiba, eles estão fazendo muita grana com as informações fornecidas gratuitamente por milhões de usuários de todos os cantos do mundo.

Mas essa é outra história, daquelas que dão muito pano pra manga. O que vale aqui é o seguinte: se você não estiver pisando fora do trilho, vale a pena permitir pois, com isso, a Google vai melhorar mais o sistema - para nosso próprio benefício. E deles também, claro.

Busca em sites de notícias

A ferramenta Google News ( news.google.com ) permite busca no conteúdo de veículos de mídia impressa e online em vários idiomas, com direito a tradução automática do texto, caso solicitada. As notícias são organizadas e exibidas de acordo com um algoritmo automatizado e totalmente independente de interferência humana. Taí uma dor de cabeça para os sites de notícias.

É quase um Office. E de graça

Dentro do ambiente do usuário que fez login no Google, o Google Docs permite publicar material na web de maneira rápida e prática, sem precisar pagar por espaço online. Documentos de texto, planilhas, formulários, pastas e apresentações podem ser acessadas de qualquer computador conectado e pode-se fazer trabalho colaborativo nesses arquivos, ou seja, mais de uma pessoa pode trabalhar em um documento simultaneamente. E, se um documento já estiver online, ele é automaticamente republicado caso haja modificação em seu teor.

A página sumiu? Nem tanto, nem tanto...

Imagine que você esteja fazendo uma busca e, ao clicar em um dos hits, a página não é encontrada. É hora de apelar para o armazenamento temporário do Google. Clicando no link "Em cache" que aparece junto ao hit desejado, o sistema mostra o que o Google encontrou no site da última vez que visitou a página em questão. E, para encontrar outros resultados parecidos, experimente clicar no link "Similares", que fica junto ao hit.

É um recurso bastante útil para capturar páginas antigas de sites de notícias.

Acompanhe cotações do mercado de ações

No Google americano, até poucas semanas, bastava digitar o código de uma ação em bolsa nos EUA e o usuário receberia uma sinopse das cotações incluindo um gráfico. Hoje ficou menos fácil. Digite, por exemplo, PBR (Petrobras), busque, depois clique no link "More search tools" e em seguida no "Nearby". Daí por diante, vá buscando pelo código à vontade: MSFT, GOOG etc. Mas se quiser arrasar mesmo, acesse google.com/finance e saia digitando NYT, EBR, BRP, ORCL, XOM e por aí vai.

Livros, livros e mais livros

O buscador efetua pesquisas também em livros que já tenham sido digitalizados pela Google. São milhões deles, de todos os cantos. Para conhecê-los, visite livros.google.com.br ou books.google.com, dependendo do idioma desejado. A visualização dos livros pode ser completa, parcial, apenas trechos e nenhuma, dependendo do acordo que os editores fizeram com a empresa. É possível também, pela ferramenta, comprar livros online.


Buscando por frases exatas

Uma coisa é digitar no Google doce de taperebá sem aspas. Ele devolve 26.600 resultados. Mas se usar aspas antes e depois das três palavras, ele buscará pela frase exata, e não pelos termos soltos, devolvendo apenas 15 hits. Ótima mão na roda para restringir os hits.

Nem é tão complicado

Pode-se misturar operadores lógicos e exclusões usando parênteses, para obter resultados muito específicos. Digitar comida AND (japonesa OR chinesa) -receita retornará hits sobre comida japonesa ou chinesa mas que não tenham nada a ver com receitas.

Selecionando conteúdo

Após digitar as palavras de busca, na primeira página de resultados, explore o link "Mostrar opções...". Nele é possível selecionar quais tipos de conteúdo são buscados, qual escopo de tempo a ser pesquisado, se valem páginas já vistas ou apenas inéditas e como os resultados são visualizados.

Em tempo: o Google não diferencia maiúsculas e minúsculas. Pode digitar suas palavras de busca à vontade.

Anonimamente ou não?

Um internauta pode se fartar de fazer buscas no Google sem nunca se identificar. Para quem está preocupado com privacidade, é uma boa.

No entanto, ao clicar no link "Fazer login", abre-se um mundo de possibilidades, pois você passa a ser alguém para o Google. Pode arrumar sua pagininha inicial no sistema, com o iGoogle, e pode fazer uso de todo um ambiente associado à sua identidade, um universo que inclui imagens, vídeos, mapas, notícias, Orkut, Gmail, livros, tradução, blogs, YouTube, agenda, documentos, RSS, sites, batepapo online, grupos de interesse e mais um monte de opções, como você pode conferir em bit.ly/cvyugp .

É essencial estar sempre em dia

Procure se manter informado sobre as novidades que o Google oferece. Os engenheiros do site estão continuamente desenvolvendo novas ferramentas e incluindo detalhes e filigranas. Às vezes, um pequeno melhoramento pode representar um baita avanço na precisão dos resultados obtidos. E quando aprender um truque novo, não deixe de praticá-lo, senão você enferruja e acaba esquecendo.

Idiomas distintos nas buscas

O sistema trata de forma diferente as versões brasileira e americana do buscador. Se entrar via google.com.br, clique em "Google.com in English" para a versão em inglês. E, depois, em "Go to Google Brasil" para voltar. Alguns dos avanços do buscador estão disponíveis primeiro na versão gringa. Por exemplo, a busca time srinagar devolve a hora nessa cidade indiana, mas só no Google americano.

Quer tangerina ou mexerica?

Para buscar por sinônimos (ou palavras correlatas!!), use um til (~) antes do termo de busca. Assim, a busca por ~tangerina retorna tangerina e mexerica, por exemplo. Tem bergamota? Tem sim, senhor.

FONTE: http://oglobo.globo.com/tecnologia/mat/2010/04/26/conheca-alguns-otimos-recursos-oferecidos-pelo-velho-bom-google-916428864.asp

sexta-feira, 16 de abril de 2010

LinkedIn estreia versão em português


A rede social LinkedIn estreou nesta terça, dia 13, sua versão em português. A ferramenta, voltada para uso profissional, tem cerca de 1 milhão de usuários brasileiros e existem mais de 8000 grupos de discussão relacionados ao Brasil. No mundo, o LinkedIn tem cerca de 65 milhões de pessoas cadastradas e adiciona 2 milhões de novos inscritos por mês.

De acordo com Arvind Rajan, vice-presidente de operações internacionais do LinkedIn, o mercado brasileiro representa uma importante oportunidade de crescimento para a empresa. Segundo ele, o país reúne uma base dinâmica de usuários de internet, um mercado importante em número de potenciais usuários e uma economia em crescimento. “Também sabemos que para ter sucesso no Brasil a ferramenta precisava ser traduzida”, diz Rajan. O LinkedIn já estava disponível em quatro idiomas – inglês, francês, alemão e espanhol. Hoje, apenas 3% dos usuários do LinkedIn estão na América Latina, mas Rajan acredita, sem estabelecer metas, que o Brasil pode alcançar números aos da Índia, que em oito meses chegou a 5 milhões de usuários. São Paulo, Rio de Janeiro e Campinas, nessa ordem, são as cidades com maior número de usuários. As empresas com maior número de funcionários brasileiros cadastrados são IBM, Petrobras e Accenture.



Novos usuários podem criar um perfil no LinkedIn acessando: http://br.linkedin.com/

Os brasileiros que já têm conta no LinkedIn podem mudar suas configurações de idioma acessando o link www.linkedin.com/portugues

FONTE: http://vocesa.abril.com.br/noticias/linkedin-estreia-versao-portugues-549011.shtml